Arquidiocese do Rio de Janeiro

32º 24º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 19/11/2017

19 de Novembro de 2017

O ‘sim’ de José

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

19 de Novembro de 2017

O ‘sim’ de José

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

16/12/2016 10:59 - Atualizado em 16/12/2016 10:59

O ‘sim’ de José 0

16/12/2016 10:59 - Atualizado em 16/12/2016 10:59

Celebrando a última semana do tempo do Advento, a Igreja, na eucaristia dominical, proclama e escuta a narrativa mateana da origem de Jesus (cf. Mt 1,18-24). Nela, como que uma antecipação do dia do Natal do Senhor, aparecem as figuras de Maria, de José, de Jesus e do anjo do Senhor. Desta forma, fazendo memória, no Espírito Santo, dos eventos salvíficos, que precederam a primeira vinda do Salvador feito homem, a comunidade eclesial espera se manter santa, purificada, sem mancha nem ruga, imaculada para a chegada do seu esposo, na Parusia (cf. Ef 5,27).

O texto do evangelho deste domingo pode ser estruturado em três partes: a situação da gravidez de Maria e a primeira posição de José (cf. Mt 1,18-19), a presença revelatória do anjo do Senhor, em sonho, a José (cf. Mt 1,20-23) e a obediência dele à vontade de Deus (cf. Mt 1,24). O autor do relato evangélico desenvolve a “conversão” de José “justo e bondoso” – ligado com a economia da Primeira Aliança – para um “obediente” – vinculado com o momento salvífico novo em função da vinda do Salvador. O pai adotivo de Jesus é proposto, nesta passagem, como a figura central de ligação com o Povo da Primeira Aliança.

A gravidez de Maria pela ação vivificante do Espírito Santo não é compreendida de imediato por seu noivo José. Por conta disso, ele resolveu abandoná-la sem reivindicar aquilo que prescrevia a lei mosaica, pois, como noivo, podia já denunciá-la por traição as promessas nupciais “Quando uma moça virgem, desposada, e um homem se deitarem, então, trareis ambos à porta da cidade, e os apedrejareis, até que morram; a moça, porquanto não gritou, e o homem, porquanto humilhou a mulher de seu próximo” (Dt 22,23-24). Nesta narrativa, José recebe o título de justo – posicionando sua conduta assertiva em consonância com a lei; todavia, sua fidelidade aos mandamentos não o faz um homem insensível, duro e vingativo: o fato de repudiá-la em segredo revela que, em seu coração, justiça e misericórdia caminham unidas.

Apesar de justo segundo os critérios da Primeira Aliança, isso não bastava para que José fosse ainda capaz de entender os planos de Deus e correspondê-los. Era necessária uma ação divina para colocá-lo participante do mistério grandioso da vinda do Filho de Deus na carne. Por isso, um anjo comunica a importância capital dele na vida daquele menino – “José, filho de Davi (...) Tu lhe porás o nome de Jesus” – e o sentido profundo da gravidez da Virgem Maria – “Ela concebeu pela ação do Espírito Santo. Ela dará luz um filho”. O conteúdo do sonho permite que José aprofunde sua compreensão do tamanho da vocação a qual ele e sua noiva estavam sendo chamados – constituir a família do Filho de Deus.

O entendimento e a compreensão abrem espaço para a vivência. Desta forma, a passagem termina relatando que “quando acordou, José fez conforme o anjo lhe havia mandado, e aceitou sua esposa”. A conclusão nos apresenta um homem novo dentro dos planos de Deus, capaz de levar a cabo a missão de pai adotivo do menino Jesus. Desta forma, como Maria proferiu seu ‘sim’ para que o Filho de Deus se encarnasse, assim José também, através de um caminho de amadurecimento de fé, precisou dar seu ‘sim’ com o intuito de ligar Jesus às promessas vétero testamentárias da realeza da descendência de Davi.

Que a Igreja possa, neste quarto domingo do Advento e última semana de preparação para o santo Natal, conhecer a mensagem da encarnação anunciada pelo anjo, a fim de que cresça ainda mais a sua fé na manifestação do Filho de Deus em Jesus Cristo, saiba continuamente acolhê-lo com misericórdia em cada pessoa e aguarde atentamente o seu retorno, em poder e glória, no fim dos tempos.

 

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.

O ‘sim’ de José

16/12/2016 10:59 - Atualizado em 16/12/2016 10:59

Celebrando a última semana do tempo do Advento, a Igreja, na eucaristia dominical, proclama e escuta a narrativa mateana da origem de Jesus (cf. Mt 1,18-24). Nela, como que uma antecipação do dia do Natal do Senhor, aparecem as figuras de Maria, de José, de Jesus e do anjo do Senhor. Desta forma, fazendo memória, no Espírito Santo, dos eventos salvíficos, que precederam a primeira vinda do Salvador feito homem, a comunidade eclesial espera se manter santa, purificada, sem mancha nem ruga, imaculada para a chegada do seu esposo, na Parusia (cf. Ef 5,27).

O texto do evangelho deste domingo pode ser estruturado em três partes: a situação da gravidez de Maria e a primeira posição de José (cf. Mt 1,18-19), a presença revelatória do anjo do Senhor, em sonho, a José (cf. Mt 1,20-23) e a obediência dele à vontade de Deus (cf. Mt 1,24). O autor do relato evangélico desenvolve a “conversão” de José “justo e bondoso” – ligado com a economia da Primeira Aliança – para um “obediente” – vinculado com o momento salvífico novo em função da vinda do Salvador. O pai adotivo de Jesus é proposto, nesta passagem, como a figura central de ligação com o Povo da Primeira Aliança.

A gravidez de Maria pela ação vivificante do Espírito Santo não é compreendida de imediato por seu noivo José. Por conta disso, ele resolveu abandoná-la sem reivindicar aquilo que prescrevia a lei mosaica, pois, como noivo, podia já denunciá-la por traição as promessas nupciais “Quando uma moça virgem, desposada, e um homem se deitarem, então, trareis ambos à porta da cidade, e os apedrejareis, até que morram; a moça, porquanto não gritou, e o homem, porquanto humilhou a mulher de seu próximo” (Dt 22,23-24). Nesta narrativa, José recebe o título de justo – posicionando sua conduta assertiva em consonância com a lei; todavia, sua fidelidade aos mandamentos não o faz um homem insensível, duro e vingativo: o fato de repudiá-la em segredo revela que, em seu coração, justiça e misericórdia caminham unidas.

Apesar de justo segundo os critérios da Primeira Aliança, isso não bastava para que José fosse ainda capaz de entender os planos de Deus e correspondê-los. Era necessária uma ação divina para colocá-lo participante do mistério grandioso da vinda do Filho de Deus na carne. Por isso, um anjo comunica a importância capital dele na vida daquele menino – “José, filho de Davi (...) Tu lhe porás o nome de Jesus” – e o sentido profundo da gravidez da Virgem Maria – “Ela concebeu pela ação do Espírito Santo. Ela dará luz um filho”. O conteúdo do sonho permite que José aprofunde sua compreensão do tamanho da vocação a qual ele e sua noiva estavam sendo chamados – constituir a família do Filho de Deus.

O entendimento e a compreensão abrem espaço para a vivência. Desta forma, a passagem termina relatando que “quando acordou, José fez conforme o anjo lhe havia mandado, e aceitou sua esposa”. A conclusão nos apresenta um homem novo dentro dos planos de Deus, capaz de levar a cabo a missão de pai adotivo do menino Jesus. Desta forma, como Maria proferiu seu ‘sim’ para que o Filho de Deus se encarnasse, assim José também, através de um caminho de amadurecimento de fé, precisou dar seu ‘sim’ com o intuito de ligar Jesus às promessas vétero testamentárias da realeza da descendência de Davi.

Que a Igreja possa, neste quarto domingo do Advento e última semana de preparação para o santo Natal, conhecer a mensagem da encarnação anunciada pelo anjo, a fim de que cresça ainda mais a sua fé na manifestação do Filho de Deus em Jesus Cristo, saiba continuamente acolhê-lo com misericórdia em cada pessoa e aguarde atentamente o seu retorno, em poder e glória, no fim dos tempos.

 

Padre Vitor Gino Finelon
Autor

Padre Vitor Gino Finelon

Professor das Escolas de Fé e Catequese Mater Ecclesiae e Luz e Vida