Arquidiocese do Rio de Janeiro

27º 20º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 08/12/2019

08 de Dezembro de 2019

“A fim de que Deus seja tudo em todos”

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

08 de Dezembro de 2019

“A fim de que Deus seja tudo em todos”

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

20/09/2013 15:19 - Atualizado em 23/09/2013 15:44

“A fim de que Deus seja tudo em todos” 0

20/09/2013 15:19 - Atualizado em 23/09/2013 15:44

A nossa fé católica acredita que no final dos tempos o Cristo retornará glorioso, os mortos ressuscitarão, haverá o juízo final e a renovação de todo o universo. Estas realidades de fé causam muito assombro sobre a maioria das pessoas. Contudo, se nos aproximarmos delas procurando conhece-las e haurindo o significado que cada uma tem para nossa vida, podemos viver dentro da alegre esperança que o Cristo nos deixou.

 

A fé na segunda vinda de Cristo

            O Catecismo da Igreja Católica (CIC) no nº 681 afirma que “No dia do juízo, por ocasião do fim do mundo, Cristo virá na glória para realizar o triunfo definitivo do bem sobre o mal, os quais, como o trigo e o joio, terão crescidos juntos ao longo da história”. Assim, o Cristo retornará no fim dos tempos, sua parusia (presença, chegada de alguém esperado). Ninguém sabe quando isto acontecerá, só Deus. Seu retorno marca o triunfo final e definitivo sobre o mal, plenificando o germe do Reino de Deus que já está no meio de nós – a Igreja. Esta plenificação se dá como cumprimento da vontade do Pai que desde o início da criação planejou elevar os homens a comunhão de vida com a Trindade Santa. Uma coisa importante é que, antes da vinda de Jesus, os cristãos passarão por muitas tribulações e, nelas, os corações serão provados e conhecidos no tocante a sua fé e a sua adesão ao Ressuscitado. A mensagem final da vinda de Jesus é de esperança nas tribulações, pois o mal, que nos assola, será definitivamente destruído no fim.

 

A fé na Ressurreição dos mortos

            O CIC no nº 1038 a firma que “a ressurreição de todos os mortos antecederá o Juízo Final”. Antes do Juízo Final, os corpos de todos os mortos se reunirão com suas respectivas almas. Estas já tinham passado pelo Juízo Particular e agora passarão pelo Juízo final, unidas aos seus respectivos corpos. Não haverá diferença entre o resultado de um e outro Juízo. O próprio deste é que não só a alma, mas o homem todo (corpo e alma) vai vivenciar o seu destino final. A mensagem da ressurreição dos mortos é da conversão e da esperança em relação ao nosso corpo e a nossa unidade pessoal. O corpo também está predestinado à glorificação e, não só a alma.

 

O que é o Juízo Final

De acordo com o CIC no nº 1040, “por meio de seu Filho, Jesus Cristo, o Pai pronunciará então sua palavra definitiva sobre toda a história. Conheceremos o sentido último de toda a criação e de toda a economia da salvação, e compreenderemos os caminhos admiráveis pelos quais sua providência terá conduzido tudo para o seu fim último”. No fim dos tempos, saberemos o sentido final de todas as coisas e nossa participação nelas, revelando o alcance de nossas ações e opções nesta vida. Diante do Juízo Final, a Igreja faz um apelo para que os homens se deixem guiar pela Providência divina, seguindo os mandamentos de Cristo, a fim de que tudo seja restaurado nEle. No Juízo final, a direção dada à alma no Juízo particular e partilhada pelo corpo. Neste momento, a obra da redenção estará concluída e os bem-aventurados entrarão, em corpo e alma, nos novos Céus e na nova terra.

 

Novos céus e na terra

            Após o Juízo Final, os santos entrarão no que a Bíblia chama de Jerusalém Celeste. Esta é a renovação misteriosa do mundo material que não mais estará subjugado pelo pecado e suas estruturas. Nesta nova realidade reinará a justiça etodos os desejos de paz que estão no coração do homem serão satisfeitos e excedidos (cf. CIC 1048). Assim, tudo o que vemos está destinado a sofrer a sua Páscoa e se libertar do pecado, servindo, ainda mais, para a comunicação da glória de Deus.

Para os homens a vivência nos novos céus e nova terra consiste na visão beatífica, na qual Deus se revelará de maneira inesgotável, sendo fonte constante de felicidade, de paz e de comunhão (cf.CIC 1045). Tudo aquilo que almejamos nesta vida esconde nosso desejo de entramos em comunhão com Deus. Os movimentos do homem tendem a tentar satisfazer sua carência de Deus nas criaturas. Todavia, nada nos satisfaz, pois quando conseguimos uma coisa, logo queremos outra. Só Deus pode dar conta das necessidades de nosso coração de maneira plena e eterna. É isto que nos está reservado na comunhão final com Ele.

 

Para aprofundar

Indicamos a leitura do CIC, nos668-679 e 1038-1050; do Compêndio do Catecismo, perguntas 134, 135, 214, 215 e 216; do YOUCAT, perguntas 111, 112, 163 e 164; da Lumen Gentium, dos parágrafos 48 ao 51; e, da Gaudim et Spes, parágrafo 22 e 39.

 

Pe. Vitor Gino Finelon

Vice-diretor das Escolas MaterEcclesiae e Luz e Vida

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.

“A fim de que Deus seja tudo em todos”

20/09/2013 15:19 - Atualizado em 23/09/2013 15:44

A nossa fé católica acredita que no final dos tempos o Cristo retornará glorioso, os mortos ressuscitarão, haverá o juízo final e a renovação de todo o universo. Estas realidades de fé causam muito assombro sobre a maioria das pessoas. Contudo, se nos aproximarmos delas procurando conhece-las e haurindo o significado que cada uma tem para nossa vida, podemos viver dentro da alegre esperança que o Cristo nos deixou.

 

A fé na segunda vinda de Cristo

            O Catecismo da Igreja Católica (CIC) no nº 681 afirma que “No dia do juízo, por ocasião do fim do mundo, Cristo virá na glória para realizar o triunfo definitivo do bem sobre o mal, os quais, como o trigo e o joio, terão crescidos juntos ao longo da história”. Assim, o Cristo retornará no fim dos tempos, sua parusia (presença, chegada de alguém esperado). Ninguém sabe quando isto acontecerá, só Deus. Seu retorno marca o triunfo final e definitivo sobre o mal, plenificando o germe do Reino de Deus que já está no meio de nós – a Igreja. Esta plenificação se dá como cumprimento da vontade do Pai que desde o início da criação planejou elevar os homens a comunhão de vida com a Trindade Santa. Uma coisa importante é que, antes da vinda de Jesus, os cristãos passarão por muitas tribulações e, nelas, os corações serão provados e conhecidos no tocante a sua fé e a sua adesão ao Ressuscitado. A mensagem final da vinda de Jesus é de esperança nas tribulações, pois o mal, que nos assola, será definitivamente destruído no fim.

 

A fé na Ressurreição dos mortos

            O CIC no nº 1038 a firma que “a ressurreição de todos os mortos antecederá o Juízo Final”. Antes do Juízo Final, os corpos de todos os mortos se reunirão com suas respectivas almas. Estas já tinham passado pelo Juízo Particular e agora passarão pelo Juízo final, unidas aos seus respectivos corpos. Não haverá diferença entre o resultado de um e outro Juízo. O próprio deste é que não só a alma, mas o homem todo (corpo e alma) vai vivenciar o seu destino final. A mensagem da ressurreição dos mortos é da conversão e da esperança em relação ao nosso corpo e a nossa unidade pessoal. O corpo também está predestinado à glorificação e, não só a alma.

 

O que é o Juízo Final

De acordo com o CIC no nº 1040, “por meio de seu Filho, Jesus Cristo, o Pai pronunciará então sua palavra definitiva sobre toda a história. Conheceremos o sentido último de toda a criação e de toda a economia da salvação, e compreenderemos os caminhos admiráveis pelos quais sua providência terá conduzido tudo para o seu fim último”. No fim dos tempos, saberemos o sentido final de todas as coisas e nossa participação nelas, revelando o alcance de nossas ações e opções nesta vida. Diante do Juízo Final, a Igreja faz um apelo para que os homens se deixem guiar pela Providência divina, seguindo os mandamentos de Cristo, a fim de que tudo seja restaurado nEle. No Juízo final, a direção dada à alma no Juízo particular e partilhada pelo corpo. Neste momento, a obra da redenção estará concluída e os bem-aventurados entrarão, em corpo e alma, nos novos Céus e na nova terra.

 

Novos céus e na terra

            Após o Juízo Final, os santos entrarão no que a Bíblia chama de Jerusalém Celeste. Esta é a renovação misteriosa do mundo material que não mais estará subjugado pelo pecado e suas estruturas. Nesta nova realidade reinará a justiça etodos os desejos de paz que estão no coração do homem serão satisfeitos e excedidos (cf. CIC 1048). Assim, tudo o que vemos está destinado a sofrer a sua Páscoa e se libertar do pecado, servindo, ainda mais, para a comunicação da glória de Deus.

Para os homens a vivência nos novos céus e nova terra consiste na visão beatífica, na qual Deus se revelará de maneira inesgotável, sendo fonte constante de felicidade, de paz e de comunhão (cf.CIC 1045). Tudo aquilo que almejamos nesta vida esconde nosso desejo de entramos em comunhão com Deus. Os movimentos do homem tendem a tentar satisfazer sua carência de Deus nas criaturas. Todavia, nada nos satisfaz, pois quando conseguimos uma coisa, logo queremos outra. Só Deus pode dar conta das necessidades de nosso coração de maneira plena e eterna. É isto que nos está reservado na comunhão final com Ele.

 

Para aprofundar

Indicamos a leitura do CIC, nos668-679 e 1038-1050; do Compêndio do Catecismo, perguntas 134, 135, 214, 215 e 216; do YOUCAT, perguntas 111, 112, 163 e 164; da Lumen Gentium, dos parágrafos 48 ao 51; e, da Gaudim et Spes, parágrafo 22 e 39.

 

Pe. Vitor Gino Finelon

Vice-diretor das Escolas MaterEcclesiae e Luz e Vida

Padre Vitor Gino Finelon
Autor

Padre Vitor Gino Finelon

Professor das Escolas de Fé e Catequese Mater Ecclesiae e Luz e Vida