Arquidiocese do Rio de Janeiro

34º 19º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 24/03/2017

24 de Março de 2017

Ação de graças pelos três anos do Seminário Redemptoris Mater

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

24 de Março de 2017

Ação de graças pelos três anos do Seminário Redemptoris Mater

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

04/11/2016 13:42 - Atualizado em 04/11/2016 14:34

Ação de graças pelos três anos do Seminário Redemptoris Mater 0

04/11/2016 13:42 - Atualizado em 04/11/2016 14:34

temp_titleTrs_anos_seminrio_redemptoris_mater_04112016134644

Com muita alegria e louvor agradecemos ao Senhor pela graça de festejar mais um ano da assinatura do decreto para erigir o Seminário Missionário Arquidiocesano Redemptoris Mater do Rio de Janeiro. O decreto foi firmado no dia 3 de novembro de 2013 pelo cardeal arcebispo Dom Orani João Tempesta, na Igreja Nossa Senhora da Candelária, no Centro.

Os Seminários Missionários Redemptoris Mater fazem parte dos inúmeros frutos da renovação conciliar, uma realidade completamente nova, desejada pelo Concílio Vaticano II. Diz o decreto do Papa Paulo VI, de 1965, Presbyterorum Ordinis n. 10, sobre o ministério e a vida dos sacerdotes: “Lembrem-se os presbíteros que cabe a eles a solicitude por todas as igrejas … E onde isso se tornar necessário – por falta de clero – facilite-se não só uma funcional distribuição dos presbíteros, mas também a prática de iniciativas especiais em favor de certas regiões ou nações ou até de todo o mundo. Para essa finalidade poderá ser útil a criação de seminários internacionais para o bem de toda a Igreja …”.

Este anseio do Concílio foi reproposto com ardor pelo Papa Francisco quando disse aos jovens – e a todos nós – na solene celebração de envio ao final da Jornada Mundial da Juventude: “Não tenham medo de ir e levar Cristo para todos os ambientes, até as periferias existenciais”. O Sumo Pontífice também nos encorajava, dizendo: “Deus quer que sejamos missionários”. Acrescentava ser preciso educar os jovens na missão, “para sair, para pôr-se a caminho, para ser rueiros da fé. Assim fez Jesus com seus discípulos: enviou-os!”.

Poucos dias após a assinatura do decreto sobre o Seminário Redemptoris Mater do Rio de Janeiro, o Papa Francisco publicava a Exortação Apostólica Evangelii Gaudium, em que nos descreve a realidade dos povos e necessidade de evangelizar. “A fé católica de muitos povos encontra-se hoje perante o desafio da proliferação de novos movimentos religiosos, alguns tendentes ao fundamentalismo e outros que parecem propor uma espiritualidade sem Deus”, diz o documento no tópico 63.

Por tudo isso o Santo Padre nos encoraja dizendo-nos: “Certamente todos somos chamados a crescer como evangelizadores. Devemos procurar simultaneamente uma formação melhor, um aprofundamento do nosso amor e um testemunho mais claro do Evangelho. Neste sentido, todos devemos deixar que os outros nos evangelizem constantemente; isto não significa que devemos renunciar à missão evangelizadora … . Seja como for, todos somos chamados a dar aos outros o testemunho explícito do amor salvífico do Senhor, que, sem olhar as nossas imperfeições, nos oferece a sua proximidade, a sua Palavra, a sua força, e dá sentido à nossa vida …” (Evangelii Gaudium, s121).

Neste ano letivo, temos 18 seminaristas. Eles provêm de 11 nações: além do Brasil, Angola, Croácia, Espanha, Filipinas, Índia, Itália, México, Peru, República Dominicana e Venezuela. Quatro deles estão em um período de missão, pois é parte da formação presbiteral dos nossos seminários fazer uma pausa nos estudos para partir em missão. Isto pode ocorrer em uma paróquia fora da nossa arquidiocese, acompanhando um pároco de forma integral e geralmente em um bairro da periferia. Também podem juntar-se a uma equipe itinerante (com leigos e um presbítero), evangelizando uma região, visitando e acompanhando a iniciação cristã oferecida pelas comunidades neocatecumenais. Nesta pausa acadêmica, que chamamos de itinerância, os seminaristas, além de realizar a missão, podem passar um ano na Terra Santa, estudando e evangelizando. Este ano, temos dois seminaristas em missão na cidade de Fortaleza, acompanhando duas equipes de missão, e outros dois estão fora do Brasil. Os seminaristas que permanecem na casa seguem com o processo formativo, estudando Teologia e Filosofia, e três inciam o seminário, na etapa do propedêutico.

O corpo formativo é integrado pelo reitor, padre Marcos André Nascimento Silva, nascido em Niterói (RJ) e pertencente ao clero da Arquidiocese de Varsóvia, na Polônia; como vice-reitor está o padre Elio Nino Alfaro Baldeón, peruano de nascimento (como ele diz, carioca de coração) que pertence ao clero da Arquidiocese de Brasília; e como diretor espiritual está Dom Paulo Celso Demartini, O. Cist., abade emérito da Abadia Nossa Senhora de São Bernardo, da cidade de São José do Rio Pardo (SP). Nessa abadia também foi abade o cardeal Dom Orani, antes de ser nomeado bispo da Diocese de São José do Rio Preto (SP).

Finalizando o Ano Jubilar da Misericórdia, o seminário louva a Deus pelas graças dadas. Primeiramente, damos graças a Deus por suscitar nos jovens o desejo de querer segui-lo como presbíteros missionários, dispostos a saírem do Rio de Janeiro para todos os lugares, anunciando a todos os povos e nações a Boa Nova, o amor de Deus manifestado em Jesus Cristo.

Também agradecemos a Deus por se manifestar todos os dias como Pai. “Ele mostra a sua onipotência paternal pela maneira como cuida das nossas necessidades”, segundo Santo Tomás de Aquino, citado no Catecismo da Igreja Católica, 270. Ele foi providente nas nossas necessidades espirituais e materiais, valendo-se de tantos benfeitores da nossa cidade, de outras cidades e também de fora do Brasil. Rezamos por todos os nossos benfeitores, pois eles são os instrumentos que Deus usa para levar adiante nossa missão e a missão dos nossos seminaristas. Deus os siga cumulando de bens.

Enfim, também agradecemos a Deus por nos ter dado tantos irmãos no ministério, que têm se preocupado conosco e nos ajudado, seja por meio de suas orações ou acolhendo os seminaristas no tempo de férias, pois muitos deles não têm família no Rio de Janeiro. Outros irmãos nos têm ajudando doando livros que são usados nos estudos de Filosofia e Teologia. Deus os recompense mais no seus ministérios.

Como não agradecer ao Cardeal Dom Orani que, com sua figura paternal, nos tem confirmado e encorajado cada vez mais no chamado vocacional.


Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.

Ação de graças pelos três anos do Seminário Redemptoris Mater

04/11/2016 13:42 - Atualizado em 04/11/2016 14:34

temp_titleTrs_anos_seminrio_redemptoris_mater_04112016134644

Com muita alegria e louvor agradecemos ao Senhor pela graça de festejar mais um ano da assinatura do decreto para erigir o Seminário Missionário Arquidiocesano Redemptoris Mater do Rio de Janeiro. O decreto foi firmado no dia 3 de novembro de 2013 pelo cardeal arcebispo Dom Orani João Tempesta, na Igreja Nossa Senhora da Candelária, no Centro.

Os Seminários Missionários Redemptoris Mater fazem parte dos inúmeros frutos da renovação conciliar, uma realidade completamente nova, desejada pelo Concílio Vaticano II. Diz o decreto do Papa Paulo VI, de 1965, Presbyterorum Ordinis n. 10, sobre o ministério e a vida dos sacerdotes: “Lembrem-se os presbíteros que cabe a eles a solicitude por todas as igrejas … E onde isso se tornar necessário – por falta de clero – facilite-se não só uma funcional distribuição dos presbíteros, mas também a prática de iniciativas especiais em favor de certas regiões ou nações ou até de todo o mundo. Para essa finalidade poderá ser útil a criação de seminários internacionais para o bem de toda a Igreja …”.

Este anseio do Concílio foi reproposto com ardor pelo Papa Francisco quando disse aos jovens – e a todos nós – na solene celebração de envio ao final da Jornada Mundial da Juventude: “Não tenham medo de ir e levar Cristo para todos os ambientes, até as periferias existenciais”. O Sumo Pontífice também nos encorajava, dizendo: “Deus quer que sejamos missionários”. Acrescentava ser preciso educar os jovens na missão, “para sair, para pôr-se a caminho, para ser rueiros da fé. Assim fez Jesus com seus discípulos: enviou-os!”.

Poucos dias após a assinatura do decreto sobre o Seminário Redemptoris Mater do Rio de Janeiro, o Papa Francisco publicava a Exortação Apostólica Evangelii Gaudium, em que nos descreve a realidade dos povos e necessidade de evangelizar. “A fé católica de muitos povos encontra-se hoje perante o desafio da proliferação de novos movimentos religiosos, alguns tendentes ao fundamentalismo e outros que parecem propor uma espiritualidade sem Deus”, diz o documento no tópico 63.

Por tudo isso o Santo Padre nos encoraja dizendo-nos: “Certamente todos somos chamados a crescer como evangelizadores. Devemos procurar simultaneamente uma formação melhor, um aprofundamento do nosso amor e um testemunho mais claro do Evangelho. Neste sentido, todos devemos deixar que os outros nos evangelizem constantemente; isto não significa que devemos renunciar à missão evangelizadora … . Seja como for, todos somos chamados a dar aos outros o testemunho explícito do amor salvífico do Senhor, que, sem olhar as nossas imperfeições, nos oferece a sua proximidade, a sua Palavra, a sua força, e dá sentido à nossa vida …” (Evangelii Gaudium, s121).

Neste ano letivo, temos 18 seminaristas. Eles provêm de 11 nações: além do Brasil, Angola, Croácia, Espanha, Filipinas, Índia, Itália, México, Peru, República Dominicana e Venezuela. Quatro deles estão em um período de missão, pois é parte da formação presbiteral dos nossos seminários fazer uma pausa nos estudos para partir em missão. Isto pode ocorrer em uma paróquia fora da nossa arquidiocese, acompanhando um pároco de forma integral e geralmente em um bairro da periferia. Também podem juntar-se a uma equipe itinerante (com leigos e um presbítero), evangelizando uma região, visitando e acompanhando a iniciação cristã oferecida pelas comunidades neocatecumenais. Nesta pausa acadêmica, que chamamos de itinerância, os seminaristas, além de realizar a missão, podem passar um ano na Terra Santa, estudando e evangelizando. Este ano, temos dois seminaristas em missão na cidade de Fortaleza, acompanhando duas equipes de missão, e outros dois estão fora do Brasil. Os seminaristas que permanecem na casa seguem com o processo formativo, estudando Teologia e Filosofia, e três inciam o seminário, na etapa do propedêutico.

O corpo formativo é integrado pelo reitor, padre Marcos André Nascimento Silva, nascido em Niterói (RJ) e pertencente ao clero da Arquidiocese de Varsóvia, na Polônia; como vice-reitor está o padre Elio Nino Alfaro Baldeón, peruano de nascimento (como ele diz, carioca de coração) que pertence ao clero da Arquidiocese de Brasília; e como diretor espiritual está Dom Paulo Celso Demartini, O. Cist., abade emérito da Abadia Nossa Senhora de São Bernardo, da cidade de São José do Rio Pardo (SP). Nessa abadia também foi abade o cardeal Dom Orani, antes de ser nomeado bispo da Diocese de São José do Rio Preto (SP).

Finalizando o Ano Jubilar da Misericórdia, o seminário louva a Deus pelas graças dadas. Primeiramente, damos graças a Deus por suscitar nos jovens o desejo de querer segui-lo como presbíteros missionários, dispostos a saírem do Rio de Janeiro para todos os lugares, anunciando a todos os povos e nações a Boa Nova, o amor de Deus manifestado em Jesus Cristo.

Também agradecemos a Deus por se manifestar todos os dias como Pai. “Ele mostra a sua onipotência paternal pela maneira como cuida das nossas necessidades”, segundo Santo Tomás de Aquino, citado no Catecismo da Igreja Católica, 270. Ele foi providente nas nossas necessidades espirituais e materiais, valendo-se de tantos benfeitores da nossa cidade, de outras cidades e também de fora do Brasil. Rezamos por todos os nossos benfeitores, pois eles são os instrumentos que Deus usa para levar adiante nossa missão e a missão dos nossos seminaristas. Deus os siga cumulando de bens.

Enfim, também agradecemos a Deus por nos ter dado tantos irmãos no ministério, que têm se preocupado conosco e nos ajudado, seja por meio de suas orações ou acolhendo os seminaristas no tempo de férias, pois muitos deles não têm família no Rio de Janeiro. Outros irmãos nos têm ajudando doando livros que são usados nos estudos de Filosofia e Teologia. Deus os recompense mais no seus ministérios.

Como não agradecer ao Cardeal Dom Orani que, com sua figura paternal, nos tem confirmado e encorajado cada vez mais no chamado vocacional.


Padre Marcos André Nascimento Silva
Autor

Padre Marcos André Nascimento Silva

Reitor Seminário Missionário Arquidiocesano Redemptoris Mater