Arquidiocese do Rio de Janeiro

27º 22º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 27/04/2017

27 de Abril de 2017

Santidade é para todos

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

27 de Abril de 2017

Santidade é para todos

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

24/10/2016 15:37 - Atualizado em 24/10/2016 15:38

Santidade é para todos 0

24/10/2016 15:37 - Atualizado em 24/10/2016 15:38

“Esta é a vontade de Deus: a vossa santificação” (I Ts 4,3a). Assim, como nosso primeiro santo brasileiro, santo Antônio de Sant’Anna Galvão, o Frei Galvão–, lutou e alcançou essa graça, nós também podemos obtê-la.

Devemos buscar uma vida santa. Isso não é “beatice”, não é assumir atitudes e gestos produzidos, não é assumir uma linguagem afetada e produzida, cheia de termos que não são comuns no dia a dia. Às vezes, as pessoas pensam que ser santo é isso.

Santidade quer dizer ser santo no trabalho, na escola, no namoro, no relacionamento com os irmãos; ser santo também nos fins de semana, e não viver uma vida dupla. Ser santo é ter uma vida santa!

Desde o nosso batismo, todos, sem exceção, fomos chamados à santidade. Faz parte de nossa essência sermos santos. O estranho é continuarmos tíbios, medíocres. Não tem coisa pior do que a mediocridade na vida cristã. Muitos pensam assim: “Eu não sou fanático, ser radical para quê?”. Mas, devemos ter cuidado, pois no livro do Apocalipse, Deus diz que quem não é frio nem quente, ou seja, morno, será vomitado da boca d’Ele.

Precisamos viver a santidade todos os dias de nossa vida. Ou estamos em estado de graça ou não teremos como tentar viver aquilo que não vivemos até agora.

Mesmo em meio aos problemas e pecados, precisamos viver a santidade, todos os dias de nossa vida. Hoje, mais do que ontem e não tanto quanto amanhã, porque amanhã precisaremos vivê-la muito mais.

Praticar as boas obras, implica, antes de tudo, em cultivar, os bons propósitos, os bons pensamentos, os bons sentimentos, os bons afetos. Comece falando bem de todos. São muitos os motivos que nos levam a falar mal, mas decida-se pelo bem, fale bem e, se não pode falar o bem, não fale mal.

É isso que acontece no nosso caminho de santificação: quando você coloca a sua decisão, o Senhor vem e coloca o Seu poder. Deus Pai não quer fazer nada sozinho, e nós não conseguimos fazer nada sozinhos. É preciso unir os dois elementos desta jornada maravilhosa: o querer do Criador com a nossa decisão. O Todo-poderoso quer fazer de nós sementes de uma nova geração. Se entrarmos com nossa decisão, o querer de Deus acontecerá. Sem a nossa parte nada acontecerá. Deus quer, mas você decide!

Peçamos a Deus a graça e a coragem de ter como objetivo de vida a santidade.

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.

Santidade é para todos

24/10/2016 15:37 - Atualizado em 24/10/2016 15:38

“Esta é a vontade de Deus: a vossa santificação” (I Ts 4,3a). Assim, como nosso primeiro santo brasileiro, santo Antônio de Sant’Anna Galvão, o Frei Galvão–, lutou e alcançou essa graça, nós também podemos obtê-la.

Devemos buscar uma vida santa. Isso não é “beatice”, não é assumir atitudes e gestos produzidos, não é assumir uma linguagem afetada e produzida, cheia de termos que não são comuns no dia a dia. Às vezes, as pessoas pensam que ser santo é isso.

Santidade quer dizer ser santo no trabalho, na escola, no namoro, no relacionamento com os irmãos; ser santo também nos fins de semana, e não viver uma vida dupla. Ser santo é ter uma vida santa!

Desde o nosso batismo, todos, sem exceção, fomos chamados à santidade. Faz parte de nossa essência sermos santos. O estranho é continuarmos tíbios, medíocres. Não tem coisa pior do que a mediocridade na vida cristã. Muitos pensam assim: “Eu não sou fanático, ser radical para quê?”. Mas, devemos ter cuidado, pois no livro do Apocalipse, Deus diz que quem não é frio nem quente, ou seja, morno, será vomitado da boca d’Ele.

Precisamos viver a santidade todos os dias de nossa vida. Ou estamos em estado de graça ou não teremos como tentar viver aquilo que não vivemos até agora.

Mesmo em meio aos problemas e pecados, precisamos viver a santidade, todos os dias de nossa vida. Hoje, mais do que ontem e não tanto quanto amanhã, porque amanhã precisaremos vivê-la muito mais.

Praticar as boas obras, implica, antes de tudo, em cultivar, os bons propósitos, os bons pensamentos, os bons sentimentos, os bons afetos. Comece falando bem de todos. São muitos os motivos que nos levam a falar mal, mas decida-se pelo bem, fale bem e, se não pode falar o bem, não fale mal.

É isso que acontece no nosso caminho de santificação: quando você coloca a sua decisão, o Senhor vem e coloca o Seu poder. Deus Pai não quer fazer nada sozinho, e nós não conseguimos fazer nada sozinhos. É preciso unir os dois elementos desta jornada maravilhosa: o querer do Criador com a nossa decisão. O Todo-poderoso quer fazer de nós sementes de uma nova geração. Se entrarmos com nossa decisão, o querer de Deus acontecerá. Sem a nossa parte nada acontecerá. Deus quer, mas você decide!

Peçamos a Deus a graça e a coragem de ter como objetivo de vida a santidade.

Monsenhor Jonas Abib
Autor

Monsenhor Jonas Abib

Fundador da Comunidade Canção Nova e presidente da Fundação João Paulo II