Arquidiocese do Rio de Janeiro

24º 17º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 30/04/2017

30 de Abril de 2017

A paz de um sorriso

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

30 de Abril de 2017

A paz de um sorriso

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

06/07/2016 15:41 - Atualizado em 06/07/2016 15:41

A paz de um sorriso 0

06/07/2016 15:41 - Atualizado em 06/07/2016 15:41

Há alguns dias, os participantes das redes sociais do mundo inteiro foram surpreendidos pela história de uma Carmelita que, segundo as primeiras informações, teve registrado seu belo sorriso, logo após a sua morte.

Sem dúvidas a história chamou a atenção de todos, haja vista que para o senso comum tratava-se de algo extraordinário.  Todavia o fato não era verídico e escondia o que realmente há de magistral por trás da vida da Irmã Cecilia María, do Monastério das Carmelitas Descalças, de Santa Fé, na Argentina, e que serve de exemplo para todos nós.

Importa desde logo esclarecer que o famoso registro fotográfico corresponde a um dos dias que precederam a sua morte, quando em agonia, ainda lutava contra um câncer recém- descoberto, mas que já apresentava metástases. Assim, para começo de conversa o que há de extraordinário nessa história começa exatamente aqui.

Irmã Ceci, como era chamada por suas irmãs do Monastério, tinha apenas 42 anos, lutava contra uma doença em estado avançado, e, sim, sorria e celebrava o dom da vida, deixando-se amar por Deus e por todas as pessoas as quais conviveu; transformou-se num canal de amor para todos.

Não há, até o momento, registros do seu cotidiano, transparecendo que toda a sua vida e paixão transcorreu dentro da normalidade, certamente, porque, o diferencial em sua história, foi saber despojar-se de si mesma, para Deus e para o próximo.  E é justamente essa entrega que fez dela, não a freira que morreu sorrindo, mas a que viveu sorrindo.

 A alegria da experiência com Deus, não só a preparou para morte, mas a fez transbordar vida, mesmo diante de seu estado terminal, quando seu único desejo foi que fizessem uma forte oração e uma grande festa para todos, ressaltando que não se esquecessem de orar e de celebrar.

Assim, o sorriso da Irmã Cecilia María, revela na realidade o essencial, pois nos diz: Eu estou com Deus, e Deus comigo está!

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.

A paz de um sorriso

06/07/2016 15:41 - Atualizado em 06/07/2016 15:41

Há alguns dias, os participantes das redes sociais do mundo inteiro foram surpreendidos pela história de uma Carmelita que, segundo as primeiras informações, teve registrado seu belo sorriso, logo após a sua morte.

Sem dúvidas a história chamou a atenção de todos, haja vista que para o senso comum tratava-se de algo extraordinário.  Todavia o fato não era verídico e escondia o que realmente há de magistral por trás da vida da Irmã Cecilia María, do Monastério das Carmelitas Descalças, de Santa Fé, na Argentina, e que serve de exemplo para todos nós.

Importa desde logo esclarecer que o famoso registro fotográfico corresponde a um dos dias que precederam a sua morte, quando em agonia, ainda lutava contra um câncer recém- descoberto, mas que já apresentava metástases. Assim, para começo de conversa o que há de extraordinário nessa história começa exatamente aqui.

Irmã Ceci, como era chamada por suas irmãs do Monastério, tinha apenas 42 anos, lutava contra uma doença em estado avançado, e, sim, sorria e celebrava o dom da vida, deixando-se amar por Deus e por todas as pessoas as quais conviveu; transformou-se num canal de amor para todos.

Não há, até o momento, registros do seu cotidiano, transparecendo que toda a sua vida e paixão transcorreu dentro da normalidade, certamente, porque, o diferencial em sua história, foi saber despojar-se de si mesma, para Deus e para o próximo.  E é justamente essa entrega que fez dela, não a freira que morreu sorrindo, mas a que viveu sorrindo.

 A alegria da experiência com Deus, não só a preparou para morte, mas a fez transbordar vida, mesmo diante de seu estado terminal, quando seu único desejo foi que fizessem uma forte oração e uma grande festa para todos, ressaltando que não se esquecessem de orar e de celebrar.

Assim, o sorriso da Irmã Cecilia María, revela na realidade o essencial, pois nos diz: Eu estou com Deus, e Deus comigo está!

Michelle Figueiredo Neves
Autor

Michelle Figueiredo Neves

Ministra do Acolhimento