Arquidiocese do Rio de Janeiro

31º 22º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 14/11/2019

14 de Novembro de 2019

Óbolo de São Pedro

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

14 de Novembro de 2019

Óbolo de São Pedro

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

02/07/2016 00:00 - Atualizado em 04/07/2016 12:02

Óbolo de São Pedro 0

02/07/2016 00:00 - Atualizado em 04/07/2016 12:02

A cada ano a Igreja na celebração de São Pedro e São Paulo dia 29 de junho, ou no caso do Brasil, quando o dia 29 de junho não cai no domingo este é celebrado no primeiro domingo depois do dia 29, temos a comemoração do Dia do Papa, e como presente para o Santo Padre fazemos nesse dia a coleta do “óbolo de São Pedro”. São Pedro e São Paulo, colunas mestras da Igreja, entregaram-se de corpo e alma ao anúncio da fé e estabeleceram os fundamentos da Igreja visível para que continuasse seus trabalhos que irradiavam sua paixão pelo Mestre. Selaram com seu sangue este amor e deixaram-nos a firmeza da doutrina o seu exemplo para que continuemos a obra redentora até a consumação dos séculos. O Papa é o sucessor de Pedro e nós somos chamados a apoiar suas obras caritativas que faz em nome de todos nós.

A Igreja realiza uma coleta denominada óbolo de São Pedro, destinada às necessidades da Igreja Universal cujo cuidado afeta prioritariamente aquele com quem todos estamos em comunhão, a quem foi conferida a missão de confirmar os seus irmãos. Com efeito, Jesus disse a Pedro: “E tu, uma vez convertido, confirma teus irmãos” (cf. Lc22,32).

Esta coleta nasceu com iniciativa de anglo-saxões no século VIII para que, na unidade da Igreja sob o Papa, pudesse ela manter-se e cumprir também, organizadamente, sua missão. Rapidamente se espalhou pelos demais países da Europa. Como outras semelhantes, passou por muitas vicissitudes diversas ao longo dos séculos até que foi consagrada pelo Papa Pio IX através da sua Encíclica Saepe venerabilis, de 5 de Agosto de 1871. No Brasil nós destinam os as coletas das missas da solenidade de São Pedro e São Paulo para essa finalidade.

São Paulo, dirigindo-se aos Coríntios nos exorta: “Que cada um dê conforme decidiu em seu coração, não com tristeza ou por obrigação, pois Deus ama a quem dá com alegria” (cf. Cor 9,7). Assim, pertencemos a uma comunidade que crê, que vive a sua fé na união fraterna da caridade e que recebeu de Deus a missão de levar a Boa Nova ao mundo. Dentro desta conscientização, deve ser recebida com alegria todas as iniciativas e atividades que nos levem a vivê-la.

Os Papas anteriores a Francisco, já haviam mencionado a respeito do óbolo de São Pedro: o Papa Bento XVI houve por bem pôr em relevo o significado particular do Óbolo com estas palavras: “O “Óbolo de São Pedro” é a expressão mais emblemática da participação de todos os fiéis nas iniciativas de caridade do Bispo de Roma a bem da Igreja universal. Trata-se de um gesto que se reveste de valor não apenas prático, mas também profundamente simbólico enquanto sinal de comunhão com o Papa e de atenção às necessidades dos irmãos; por isso, o vosso serviço possui um valor retintamente eclesial” (Discurso aos Sócios do Círculo de São Pedro, 25 de Fevereiro de 2006).

Já o Papa São João Paulo II: “Conheceis as crescentes necessidades do apostolado, as carências das Comunidades eclesiais especialmente em terras de missão, os pedidos de ajuda que chegam de populações, indivíduos e famílias que vivem em precárias condições. Muitos esperam da Sé Apostólica uma ajuda que, muitas vezes, não conseguem encontrar noutro lugar. Vistas assim as coisas, o Óbolo constitui uma verdadeira e particular participação na ação evangelizadora, especialmente se se consideram o sentido e a importância de partilhar concretamente as solicitudes da Igreja universal” (São João Paulo II ao Círculo de São Pedro, 28 de Fevereiro de 2003).

O critério geral, que inspira a prática do Óbolo, remonta à Igreja primitiva: “A base primeira para a manutenção da Sé Apostólica deve ser constituída pelas ofertas dadas espontaneamente pelos católicos de todo o mundo, e eventualmente também por outras pessoas de boa vontade. Isto corresponde à tradição que tem origem no Evangelho (Lc 10,7) e nos ensinamentos dos Apóstolos (1 Cor 11,14)” (Carta de São João Paulo II ao Cardeal Secretário de Estado, 20 de Novembro de 1982).

Além dessa coleta, neste Ano da misericórdia, a Esmolaria Pontifícia que cuida dos mais necessitados em nome do Papa, está desenvolvendo múltiplas atividades caritativas em favor dos mais humildes. Que todos nós neste ano jubilar possamos ter um coração generoso e ajudar ainda mais o Santo Padre nestas atividades de caridade. Que vivamos como as primeiras comunidades, no amor-mútuo e na caridade. Sejamos generosos e que São Pedro e São Paulo por todos intercedam.

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.

Óbolo de São Pedro

02/07/2016 00:00 - Atualizado em 04/07/2016 12:02

A cada ano a Igreja na celebração de São Pedro e São Paulo dia 29 de junho, ou no caso do Brasil, quando o dia 29 de junho não cai no domingo este é celebrado no primeiro domingo depois do dia 29, temos a comemoração do Dia do Papa, e como presente para o Santo Padre fazemos nesse dia a coleta do “óbolo de São Pedro”. São Pedro e São Paulo, colunas mestras da Igreja, entregaram-se de corpo e alma ao anúncio da fé e estabeleceram os fundamentos da Igreja visível para que continuasse seus trabalhos que irradiavam sua paixão pelo Mestre. Selaram com seu sangue este amor e deixaram-nos a firmeza da doutrina o seu exemplo para que continuemos a obra redentora até a consumação dos séculos. O Papa é o sucessor de Pedro e nós somos chamados a apoiar suas obras caritativas que faz em nome de todos nós.

A Igreja realiza uma coleta denominada óbolo de São Pedro, destinada às necessidades da Igreja Universal cujo cuidado afeta prioritariamente aquele com quem todos estamos em comunhão, a quem foi conferida a missão de confirmar os seus irmãos. Com efeito, Jesus disse a Pedro: “E tu, uma vez convertido, confirma teus irmãos” (cf. Lc22,32).

Esta coleta nasceu com iniciativa de anglo-saxões no século VIII para que, na unidade da Igreja sob o Papa, pudesse ela manter-se e cumprir também, organizadamente, sua missão. Rapidamente se espalhou pelos demais países da Europa. Como outras semelhantes, passou por muitas vicissitudes diversas ao longo dos séculos até que foi consagrada pelo Papa Pio IX através da sua Encíclica Saepe venerabilis, de 5 de Agosto de 1871. No Brasil nós destinam os as coletas das missas da solenidade de São Pedro e São Paulo para essa finalidade.

São Paulo, dirigindo-se aos Coríntios nos exorta: “Que cada um dê conforme decidiu em seu coração, não com tristeza ou por obrigação, pois Deus ama a quem dá com alegria” (cf. Cor 9,7). Assim, pertencemos a uma comunidade que crê, que vive a sua fé na união fraterna da caridade e que recebeu de Deus a missão de levar a Boa Nova ao mundo. Dentro desta conscientização, deve ser recebida com alegria todas as iniciativas e atividades que nos levem a vivê-la.

Os Papas anteriores a Francisco, já haviam mencionado a respeito do óbolo de São Pedro: o Papa Bento XVI houve por bem pôr em relevo o significado particular do Óbolo com estas palavras: “O “Óbolo de São Pedro” é a expressão mais emblemática da participação de todos os fiéis nas iniciativas de caridade do Bispo de Roma a bem da Igreja universal. Trata-se de um gesto que se reveste de valor não apenas prático, mas também profundamente simbólico enquanto sinal de comunhão com o Papa e de atenção às necessidades dos irmãos; por isso, o vosso serviço possui um valor retintamente eclesial” (Discurso aos Sócios do Círculo de São Pedro, 25 de Fevereiro de 2006).

Já o Papa São João Paulo II: “Conheceis as crescentes necessidades do apostolado, as carências das Comunidades eclesiais especialmente em terras de missão, os pedidos de ajuda que chegam de populações, indivíduos e famílias que vivem em precárias condições. Muitos esperam da Sé Apostólica uma ajuda que, muitas vezes, não conseguem encontrar noutro lugar. Vistas assim as coisas, o Óbolo constitui uma verdadeira e particular participação na ação evangelizadora, especialmente se se consideram o sentido e a importância de partilhar concretamente as solicitudes da Igreja universal” (São João Paulo II ao Círculo de São Pedro, 28 de Fevereiro de 2003).

O critério geral, que inspira a prática do Óbolo, remonta à Igreja primitiva: “A base primeira para a manutenção da Sé Apostólica deve ser constituída pelas ofertas dadas espontaneamente pelos católicos de todo o mundo, e eventualmente também por outras pessoas de boa vontade. Isto corresponde à tradição que tem origem no Evangelho (Lc 10,7) e nos ensinamentos dos Apóstolos (1 Cor 11,14)” (Carta de São João Paulo II ao Cardeal Secretário de Estado, 20 de Novembro de 1982).

Além dessa coleta, neste Ano da misericórdia, a Esmolaria Pontifícia que cuida dos mais necessitados em nome do Papa, está desenvolvendo múltiplas atividades caritativas em favor dos mais humildes. Que todos nós neste ano jubilar possamos ter um coração generoso e ajudar ainda mais o Santo Padre nestas atividades de caridade. Que vivamos como as primeiras comunidades, no amor-mútuo e na caridade. Sejamos generosos e que São Pedro e São Paulo por todos intercedam.

Cardeal Orani João Tempesta
Autor

Cardeal Orani João Tempesta

Arcebispo da Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro