Arquidiocese do Rio de Janeiro

32º 17º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 10/12/2018

10 de Dezembro de 2018

Ser um homem novo

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

10 de Dezembro de 2018

Ser um homem novo

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

31/05/2016 18:11 - Atualizado em 31/05/2016 18:12

Ser um homem novo 0

31/05/2016 18:11 - Atualizado em 31/05/2016 18:12

O lixo da nossa vida precisa ser jogado na fornalha ardente da misericórdia, do coração de Jesus. É ali que eu e você precisamos mergulhar nossas misérias. Os raios que saem do Seu coração. são de amor, de misericórdia. Eles nos atingem e aniquilam o pecado, mas é preciso que a gente não se esconda.

Temos a mania de esconder nossos erros, maus hábitos, vícios e pecados. Parece que a gente levanta o tapete e põe o lixo da nossa vida embaixo. Levar a vida assim, sendo morno, sem sentir nada, não tendo Deus dizendo “está tudo bom” para tudo, “legal”, é uma morte que parece vida.

“O Deus que te criou sem ti, não te salvará sem ti”, é o que diz Santo Agostinho. É preciso esforço, é preciso luta, seja qual for a sua situação: bebida, prostituição, adultério, uma sexualidade depravada, droga, ódio, rancor, ou uma vida leviana.   

Agora, para você poder ficar em pé é um custo, um sacrifício, uma luta, um heroísmo, igual a Lázaro (Jo 11, 38-44), que saiu do sepulcro se arrastando, se machucando, subindo os degraus, para depois ficar em pé. É assim, e sem o seu esforço de nada vai adiantar Jesus ter lhe “ressuscitado”.

O que nós podemos fazer, Jesus não faz. Tenha paciência com você mesmo e com a ação de Deus, porque ninguém muda de uma hora para outra.

Caminhe corajosamente, correspondendo à ação do Espírito Santo. Colabore com Ele, para que se faça a nova criatura: o homem e a mulher de Deus. É um processo longo, duro e sofrido, mas precisamos acreditar que Nele tudo se faz novo.

 

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.

Ser um homem novo

31/05/2016 18:11 - Atualizado em 31/05/2016 18:12

O lixo da nossa vida precisa ser jogado na fornalha ardente da misericórdia, do coração de Jesus. É ali que eu e você precisamos mergulhar nossas misérias. Os raios que saem do Seu coração. são de amor, de misericórdia. Eles nos atingem e aniquilam o pecado, mas é preciso que a gente não se esconda.

Temos a mania de esconder nossos erros, maus hábitos, vícios e pecados. Parece que a gente levanta o tapete e põe o lixo da nossa vida embaixo. Levar a vida assim, sendo morno, sem sentir nada, não tendo Deus dizendo “está tudo bom” para tudo, “legal”, é uma morte que parece vida.

“O Deus que te criou sem ti, não te salvará sem ti”, é o que diz Santo Agostinho. É preciso esforço, é preciso luta, seja qual for a sua situação: bebida, prostituição, adultério, uma sexualidade depravada, droga, ódio, rancor, ou uma vida leviana.   

Agora, para você poder ficar em pé é um custo, um sacrifício, uma luta, um heroísmo, igual a Lázaro (Jo 11, 38-44), que saiu do sepulcro se arrastando, se machucando, subindo os degraus, para depois ficar em pé. É assim, e sem o seu esforço de nada vai adiantar Jesus ter lhe “ressuscitado”.

O que nós podemos fazer, Jesus não faz. Tenha paciência com você mesmo e com a ação de Deus, porque ninguém muda de uma hora para outra.

Caminhe corajosamente, correspondendo à ação do Espírito Santo. Colabore com Ele, para que se faça a nova criatura: o homem e a mulher de Deus. É um processo longo, duro e sofrido, mas precisamos acreditar que Nele tudo se faz novo.

 

Monsenhor Jonas Abib
Autor

Monsenhor Jonas Abib

Fundador da Comunidade Canção Nova e presidente da Fundação João Paulo II