Arquidiocese do Rio de Janeiro

27º 21º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 20/11/2019

20 de Novembro de 2019

Santíssima Trindade

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

20 de Novembro de 2019

Santíssima Trindade

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

21/05/2016 00:00 - Atualizado em 25/05/2016 17:40

Santíssima Trindade 0

21/05/2016 00:00 - Atualizado em 25/05/2016 17:40

Deus, na plenitude dos tempos, revelou-se aos homens na pessoa de seu Filho Jesus, elevando assim a compreensão humana do próprio Deus e dos seus desígnios para com a humanidade. E, o desígnio de Deus é que o homem sacie sua sede na Fonte que jorra água viva, onde toda limitação é dissipada pelo infinito amor do Pai que, presenteia a humanidade com a doação de seu Filho na ação do Espírito. Deus chama o homem para viver a sua vida. Deus se revela Trindade. O Mistério Pascal é a revelação histórica concreta de Deus – Amor – Trindade. Porque Deus é Trindade, cria e destina o homem a participar da comunhão divina.

O Novo Testamento aceita sem discussão a revelação do monoteísmo. “O Senhor nosso Deus é um só” (cf. Mc 12,29), “O Deus único e verdadeiro” (cf. Jo 17,3). Deus é um só (cf. Gl 3,20); há um só Deus (cf. Ef 4,6; 1Tm 2,5) (LADARIA, 1998).

É a partir de Jesus Cristo que se tem a revelação do mistério trinitário. Jesus Cristo é, com efeito, o revelador do mistério da Santíssima Trindade em Deus. Ele é o verdadeiro autor de uma teologia trinitária. Jamais devemos esquecer que o principal fundamento da teologia é a Palavra de Deus, e que esta alcança seu acabamento no Senhor Jesus como Mediador e plenitude de toda a Revelação (cf. Hb 1,1-4). (LADARIA, 1998).

Deus, Pai, é a fonte, a origem sem princípio. É aquele que assegura a unidade da Trindade sendo a única fonte da divindade. Seu ser está empenhado e se esgota na geração do Filho, uma vez que Deus faz habitar nele toda a plenitude de sua divindade. Também Cristo só existe nessa geração. A paternidade de um é absoluta, e a filiação do outro, é total (DURRWELL, 1990).

Deus gera pelo Espírito, que é amor. Ele é Pai pelo amor que tem ao Filho. Sua paternidade é mistério insondável: Ele, em seu infinito amor, gera o Filho por toda a eternidade, e a relação de amor do Pai para com o Filho, e do Filho para com o Pai expira o Espírito Santo, que é igual ao Pai e ao Filho em divindade. Eles são de uma única substância ou essência, não há contradição entre Eles, o que um é, os outros também são, é uma profunda relação de amor e unidade (DURRWELL, 1990).

A geração do Filho, que é a origem da criação, é também seu futuro: “tudo foi criado na direção dele” (cf. Cl 1,16). A atividade do Pai tem por termo sempre o Filho; portanto, Deus cria o mundo encaminhando-o na direção de Cristo. O mundo nasce num movimento que o leva na direção do Filho em seu eterno nascimento. Em seu eterno nascimento, Cristo é o alfa e o ômega da criação (cf. Ap 21,6); o alfa do qual surgem as criaturas, e o ômega que as chama e plenifica. É assim que, em sua vida terrestre, o próprio Jesus partia de seu eterno nascimento filial e ia à direção dele (LADARIA, 1998).

Jesus é o Filho que sai do Pai (cf. Jo 13,3). Sua vinda a este mundo é um prolongamento de sua eterna saída. Em sua glorificação junto do Pai (cf. Jo 17,5), ele está assentado à direita do Pai (cf. Mt 26,64), plenamente assumido na condição divina como Verbo eterno: “Verbo de Deus” é seu nome (cf. Ap 19,13). Em seu mistério de morte e glória, ele revela sua identidade de Filho eterno que nasce de Deus no Espírito Santo. O Pai gera o Filho no Espírito, que é amor. Ele o gera amando-o. E é no mesmo amor que o Filho desempenha sua missão: mediador da graça filial (LADARIA, 1998).

Mediador da graça filial, Jesus é a porta pela qual Deus convida os homens a entrar, a fim de tomarem parte no banquete trinitário. E, o título de Filho (de Deus), mais do que qualquer outro, indica a identidade última de Jesus, já que ele supõe em evidência a unicidade de sua relação com o Pai. Existe uma íntima conexão entre a relação de Jesus com Deus (Pai), e sua condição de salvador dos homens e mediador da graça filial. A atividade do Filho é a que o Pai lhe confia para exercer; a reconciliação é, em primeiro lugar, obra do Pai. Sendo Deus o Pai essencial, seu papel, na redenção como em todas as suas obras no mundo, é o de gerar o Filho (LADARIA, 1998).

O mistério da salvação se recobre com o da encarnação. Mediante sua vida e sua morte, Jesus se deixa gerar pelo Pai. Com efeito, como o papel de Deus é o de ser Pai, o de Jesus é o de ser Filho. O drama da salvação se joga na relação mútua entre o Pai e o homem Jesus, Filho de Deus. Sendo paterna e filial, a obra da redenção é cheia do Espírito Santo (LADARIA, 1998).

O mistério do Pai, do Filho e do Espírito Santo se interioriza no mundo, para levá-lo à sua eterna realização, isto é, sua salvação. Em seu amor aos homens, Deus entrega seu Filho, gerando-o neste mundo. Deus não podia agir de outro modo. Seu ser se identifica com sua paternidade, e toda sua atividade se empenha na geração do Filho (LADARIA, 1998).

Nesta Solenidade, rezemos com São João Paulo II: “Bendito sejas, Pai, que em vosso infinito amor nos tem dado a vosso Unigênito Filho, feito carne por obra do Espírito Santo no seio puríssimo da Virgem Maria, e nascido em Belém faz agora dois mil anos. Ele se tinha feito nosso companheiro de viagem e tinha dado novo significado à história, que é um caminho feito juntos, no trabalho e no sofrimento, na fidelidade e no amor, até aqueles céus novos e até aquela terra nova, na que Tu, vencida a morte, serás tudo em todos”.

Adoração e glória a Vós, Trindade e Santíssima, único e sumo Deus! Faça Pai, que por tua graça o ano jubilar seja um tempo de conversão profunda e de alegre retorno a Vós; concedei-nos que seja um tempo de reconciliação entre os homens e de redescobrir a concórdia entre as nações; tempo no que as lanças se troquem em rosas, e ao fragor das armas sucedam cantos de paz. Concedei-nos, Pai, viver o ano jubilar dóceis à voz do espírito, fiéis no seguimento de Cristo, assíduos na escuta da Palavra e na assiduidade às fontes da graça. 

Adoração e glória a Vós, Trindade e Santíssima, único e sumo Deus! Sustenta, Pai, com a força do espírito, o empenho da Igreja em favor da nova evangelização, e guia nossos passos pelos caminhos do mundo para anunciar Cristo com a vida, orientando nossa peregrinação terrena à Cidade da luz. Fazei Pai, que brilhem os discípulos de vosso Filho que por seu amor fazia os pobres e oprimidos; que sejam solidários com os necessitados, e generosos nas obras de misericórdia, e indulgentes com os irmãos para obter eles mesmos de Vós indulgência e perdão. 

Adoração e glória a Vós, Trindade e Santíssima, único e sumo Deus! Fazei, Pai, que os discípulos de vosso Filho, purificada a memória e reconhecidas as próprias culpas, sejam uma única coisa, de sorte que o mundo creia. Outorga que se dilate o diálogo entre os seguidores das grandes religiões, de sorte que todos os homens descubram a alegria de ser teus filhos. Fazei que a voz suplicante de Maria, mãe das gentes, se una às vozes orantes dos apóstolos e dos mártires cristãos, dos justos de todo povo e de todo tempo, para que o Ano Santo seja para todos e para a Igreja motivo de renovada esperança e de júbilo no espírito. 

Adoração e glória a Vós, Trindade e Santíssima, único e sumo Deus! A vós, Pai onipotente, origem do cosmos e do homem, por Cristo, o Vivente, Senhor do tempo e da história, no espírito que santifica o universo, a Adoração, a honra, a glória, hoje e nos séculos sem fim. Amém!


Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.

Santíssima Trindade

21/05/2016 00:00 - Atualizado em 25/05/2016 17:40

Deus, na plenitude dos tempos, revelou-se aos homens na pessoa de seu Filho Jesus, elevando assim a compreensão humana do próprio Deus e dos seus desígnios para com a humanidade. E, o desígnio de Deus é que o homem sacie sua sede na Fonte que jorra água viva, onde toda limitação é dissipada pelo infinito amor do Pai que, presenteia a humanidade com a doação de seu Filho na ação do Espírito. Deus chama o homem para viver a sua vida. Deus se revela Trindade. O Mistério Pascal é a revelação histórica concreta de Deus – Amor – Trindade. Porque Deus é Trindade, cria e destina o homem a participar da comunhão divina.

O Novo Testamento aceita sem discussão a revelação do monoteísmo. “O Senhor nosso Deus é um só” (cf. Mc 12,29), “O Deus único e verdadeiro” (cf. Jo 17,3). Deus é um só (cf. Gl 3,20); há um só Deus (cf. Ef 4,6; 1Tm 2,5) (LADARIA, 1998).

É a partir de Jesus Cristo que se tem a revelação do mistério trinitário. Jesus Cristo é, com efeito, o revelador do mistério da Santíssima Trindade em Deus. Ele é o verdadeiro autor de uma teologia trinitária. Jamais devemos esquecer que o principal fundamento da teologia é a Palavra de Deus, e que esta alcança seu acabamento no Senhor Jesus como Mediador e plenitude de toda a Revelação (cf. Hb 1,1-4). (LADARIA, 1998).

Deus, Pai, é a fonte, a origem sem princípio. É aquele que assegura a unidade da Trindade sendo a única fonte da divindade. Seu ser está empenhado e se esgota na geração do Filho, uma vez que Deus faz habitar nele toda a plenitude de sua divindade. Também Cristo só existe nessa geração. A paternidade de um é absoluta, e a filiação do outro, é total (DURRWELL, 1990).

Deus gera pelo Espírito, que é amor. Ele é Pai pelo amor que tem ao Filho. Sua paternidade é mistério insondável: Ele, em seu infinito amor, gera o Filho por toda a eternidade, e a relação de amor do Pai para com o Filho, e do Filho para com o Pai expira o Espírito Santo, que é igual ao Pai e ao Filho em divindade. Eles são de uma única substância ou essência, não há contradição entre Eles, o que um é, os outros também são, é uma profunda relação de amor e unidade (DURRWELL, 1990).

A geração do Filho, que é a origem da criação, é também seu futuro: “tudo foi criado na direção dele” (cf. Cl 1,16). A atividade do Pai tem por termo sempre o Filho; portanto, Deus cria o mundo encaminhando-o na direção de Cristo. O mundo nasce num movimento que o leva na direção do Filho em seu eterno nascimento. Em seu eterno nascimento, Cristo é o alfa e o ômega da criação (cf. Ap 21,6); o alfa do qual surgem as criaturas, e o ômega que as chama e plenifica. É assim que, em sua vida terrestre, o próprio Jesus partia de seu eterno nascimento filial e ia à direção dele (LADARIA, 1998).

Jesus é o Filho que sai do Pai (cf. Jo 13,3). Sua vinda a este mundo é um prolongamento de sua eterna saída. Em sua glorificação junto do Pai (cf. Jo 17,5), ele está assentado à direita do Pai (cf. Mt 26,64), plenamente assumido na condição divina como Verbo eterno: “Verbo de Deus” é seu nome (cf. Ap 19,13). Em seu mistério de morte e glória, ele revela sua identidade de Filho eterno que nasce de Deus no Espírito Santo. O Pai gera o Filho no Espírito, que é amor. Ele o gera amando-o. E é no mesmo amor que o Filho desempenha sua missão: mediador da graça filial (LADARIA, 1998).

Mediador da graça filial, Jesus é a porta pela qual Deus convida os homens a entrar, a fim de tomarem parte no banquete trinitário. E, o título de Filho (de Deus), mais do que qualquer outro, indica a identidade última de Jesus, já que ele supõe em evidência a unicidade de sua relação com o Pai. Existe uma íntima conexão entre a relação de Jesus com Deus (Pai), e sua condição de salvador dos homens e mediador da graça filial. A atividade do Filho é a que o Pai lhe confia para exercer; a reconciliação é, em primeiro lugar, obra do Pai. Sendo Deus o Pai essencial, seu papel, na redenção como em todas as suas obras no mundo, é o de gerar o Filho (LADARIA, 1998).

O mistério da salvação se recobre com o da encarnação. Mediante sua vida e sua morte, Jesus se deixa gerar pelo Pai. Com efeito, como o papel de Deus é o de ser Pai, o de Jesus é o de ser Filho. O drama da salvação se joga na relação mútua entre o Pai e o homem Jesus, Filho de Deus. Sendo paterna e filial, a obra da redenção é cheia do Espírito Santo (LADARIA, 1998).

O mistério do Pai, do Filho e do Espírito Santo se interioriza no mundo, para levá-lo à sua eterna realização, isto é, sua salvação. Em seu amor aos homens, Deus entrega seu Filho, gerando-o neste mundo. Deus não podia agir de outro modo. Seu ser se identifica com sua paternidade, e toda sua atividade se empenha na geração do Filho (LADARIA, 1998).

Nesta Solenidade, rezemos com São João Paulo II: “Bendito sejas, Pai, que em vosso infinito amor nos tem dado a vosso Unigênito Filho, feito carne por obra do Espírito Santo no seio puríssimo da Virgem Maria, e nascido em Belém faz agora dois mil anos. Ele se tinha feito nosso companheiro de viagem e tinha dado novo significado à história, que é um caminho feito juntos, no trabalho e no sofrimento, na fidelidade e no amor, até aqueles céus novos e até aquela terra nova, na que Tu, vencida a morte, serás tudo em todos”.

Adoração e glória a Vós, Trindade e Santíssima, único e sumo Deus! Faça Pai, que por tua graça o ano jubilar seja um tempo de conversão profunda e de alegre retorno a Vós; concedei-nos que seja um tempo de reconciliação entre os homens e de redescobrir a concórdia entre as nações; tempo no que as lanças se troquem em rosas, e ao fragor das armas sucedam cantos de paz. Concedei-nos, Pai, viver o ano jubilar dóceis à voz do espírito, fiéis no seguimento de Cristo, assíduos na escuta da Palavra e na assiduidade às fontes da graça. 

Adoração e glória a Vós, Trindade e Santíssima, único e sumo Deus! Sustenta, Pai, com a força do espírito, o empenho da Igreja em favor da nova evangelização, e guia nossos passos pelos caminhos do mundo para anunciar Cristo com a vida, orientando nossa peregrinação terrena à Cidade da luz. Fazei Pai, que brilhem os discípulos de vosso Filho que por seu amor fazia os pobres e oprimidos; que sejam solidários com os necessitados, e generosos nas obras de misericórdia, e indulgentes com os irmãos para obter eles mesmos de Vós indulgência e perdão. 

Adoração e glória a Vós, Trindade e Santíssima, único e sumo Deus! Fazei, Pai, que os discípulos de vosso Filho, purificada a memória e reconhecidas as próprias culpas, sejam uma única coisa, de sorte que o mundo creia. Outorga que se dilate o diálogo entre os seguidores das grandes religiões, de sorte que todos os homens descubram a alegria de ser teus filhos. Fazei que a voz suplicante de Maria, mãe das gentes, se una às vozes orantes dos apóstolos e dos mártires cristãos, dos justos de todo povo e de todo tempo, para que o Ano Santo seja para todos e para a Igreja motivo de renovada esperança e de júbilo no espírito. 

Adoração e glória a Vós, Trindade e Santíssima, único e sumo Deus! A vós, Pai onipotente, origem do cosmos e do homem, por Cristo, o Vivente, Senhor do tempo e da história, no espírito que santifica o universo, a Adoração, a honra, a glória, hoje e nos séculos sem fim. Amém!


Cardeal Orani João Tempesta
Autor

Cardeal Orani João Tempesta

Arcebispo da Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro