Arquidiocese do Rio de Janeiro

27º 21º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 20/11/2019

20 de Novembro de 2019

Exemplos de maternidade

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

20 de Novembro de 2019

Exemplos de maternidade

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

07/05/2016 00:00 - Atualizado em 24/05/2016 12:31

Exemplos de maternidade 0

07/05/2016 00:00 - Atualizado em 24/05/2016 12:31

No segundo domingo do mês de Maria, maio, nós comemoramos no Brasil o Dia das Mães. Nestes tempos de “mudança de época” nunca teria imaginado que falar sobre a maternidade fosse um dia ser um perigo de não estar “politicamente correto”. Parecia ser algo tão conatural à vida humana e, ao mesmo tempo, tão significativo para a sociedade, que lutamos para ser cada vez mais fraterna e unida. Portanto, neste tempo que é dedicado à nossa mãe comum, Maria, é importante também refletir e homenagear nossas mães.

Ser mãe é ser sinônimo de: afeto, carinho, amor, aconchego, doação e todos os qualitativos que existem, que servem para designar estas que criam com amor e doação os seus queridos filhos. Uma boa maneira de contemplar este tempo é trazer exemplos de mães que foram mulheres de misericórdia, para celebrar o jubileu extraordinário neste ano santo: a Bem-Aventurada Virgem Maria, Santa Zélia Martin e Zilda Arns.

Jesus Cristo, Deus feito homem, é a plena expressão da misericórdia divina, manifestada de muitas maneiras ao longo da história da salvação. O Senhor entregou-se na Cruz num ato supremo de Amor misericordioso, e agora exerce esse amor compassivo do Céu e no Sacrário. Jesus, no alto da Cruz, entrega sua Mãe aos cuidados de João, e, assim João a Virgem Maria. Nesse momento, Maria assume a Maternidade da humanidade. Ela foi exemplo de mãe, soube muito bem criar o seu Divino Filho. Deu amor a Ele, educou-O e assim deixou livre para que Ele fizesse a vontade do Pai. A nossa Mãe Santa Maria alcança-nos continuamente a compaixão do seu Filho e nos ensina o modo de nos comportamos em face das necessidades próprias e alheias.

Maria “é aquela que conhece mais a fundo o mistério da misericórdia divina. Conhece o seu preço e sabe como é elevado. Neste sentido, chamamo-la Mãe de Misericórdia, Nossa Senhora da Misericórdia ou Mãe da Divina Misericórdia. Em cada um desses títulos encerra-se um profundo significado teológico, porque todos eles exprimem a particular preparação da sua alma, de toda a sua pessoa, que lhe permitiu ver – primeiro, através daqueles que dizem respeito a cada um dos homens e à humanidade inteira – aquela misericórdia da qual todos participamos, segundo o eterno desígnio da Santíssima Trindade, de geração em geração” (cf. Lc 1, 50).

Em Maria, a misericórdia une-se à piedade de mãe; Ela nos conduz sempre ao Trono da graça. O título de Mãe de Misericórdia, alcançado com o seu “fiat” – faça-se – em Nazaré e no Calvário, é um dos seus maiores e mais belos nomes. Maria é o nosso consolo e a nossa segurança: “Com o seu amor maternal, cuida dos irmãos do seu Filho que ainda peregrinam e se acham em perigos e ansiedades até que sejam conduzidos à pátria celestial”. “Por este motivo, a Santíssima Virgem é invocada na Igreja com os títulos de Advogada, Consoladora, Auxiliadora, Socorro, Medianeira”. “Nem um só dia a Virgem deixou de, como mãe, ajudar-nos, de proteger-nos, de interceder pelas nossas necessidades”.

Um belo exemplo é também o de Santa Zélia Martin, mãe da padroeira das missões: Santa Teresinha do Menino Jesus. Fora mãe deSanta Teresinha do Menino Jesus e de mais quatro meninas, todas elas foram religiosas. Mas, como ela conseguiu uma família tão apaixonada por Jesus assim? Um dia de cada vez. Quando Teresa nasceu Zélia orou, como sempre fazia quando nascia um filho seu: “Senhor, concedei-me a graça de que ela vos seja consagrada e de nada vir a manchar a pureza de sua alma. Se há de perder-se um dia, prefiro que a leveis imediatamente para o Céu”. Zélia já tinha 41 anos quando Teresa nasceu. Parecia cansada e o pai, seu Louis, andava preocupado. Pudera! Com aquela dor no seio que a impedia de amamentar… Zélia escreveu para sua irmã: “Se Nosso Senhor me concedesse a graça de poder amamentar, que prazer seria para mim”!Zélia vivia escrevendo para sua filha Paulina, que morava no colégio onde estudava, contando as travessuras de Teresa. Coisas do tipo: “Querida Paulina, ainda não completou dois anos e já fala quase tudo, reza como um anjinho e canta pequenas musiquinhas… Teresa escapou e disse que estava indo à Missa… Está com gripe… Só tem dois anos e diz que quer ser religiosa…”. Ela foi grande exemplo de mãe, tanto que com seu amor a Jesus conseguiu entregar suas filhas ao Coração do Senhor misericordioso.

Um exemplo bem perto de nós foiDra. Zilda Arns Neumann. Foi médica pediatra e sanitarista, fundadora e coordenadora internacional da Pastoral da Criança, fundadora e coordenadora nacional da Pastoral da Pessoa Idosa – organismos de ação social da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). Dra. Zilda Arns também foi representante titular da CNBB, no Conselho Nacional de Saúde, e ainda membro do Conselho Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES). Nascida em Forquilhinha (SC), residia em Curitiba (PR), mãe de cinco filhos e avó de dez netos. Escolheu a medicina como missão e enveredou pelos caminhos da saúde pública. Foi em 1983 que, a pedido da CNBB, a Dra. Zilda Arns criou a Pastoral da Criança juntamente com Dom Geraldo Majela Agnello, Cardeal Arcebispo Primaz de São Salvador da Bahia, que na época era Arcebispo de Londrina. Como Mãe foi exemplo de amor, de fé e doação. Ela é considerada a grande mãe daqueles que sofrem. Soube em vida unir a profissão e a missão, tanto que era tão dedicada que morreu fazendo missão àqueles que mais precisam. Foi a mãe das crianças de uma pastoral que mudou o Brasil.

Portanto, nesse dia queremos agradecer a Deus por todas as mães. Temos vários exemplos de mães trabalhadoras e dedicadas aos seus filhos. Ao recordarmos dos três exemplos acima, sem dúvida colocamos as nossas mães e tantos outros exemplos que temos de mulheres trabalhadoras e mães exemplares. Peço à Mãe da Misericórdia que olhe para cada mãe e, lhes dê, assim, a graça de sempre educar seus filhos no caminho do Mestre-Jesus. 

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.

Exemplos de maternidade

07/05/2016 00:00 - Atualizado em 24/05/2016 12:31

No segundo domingo do mês de Maria, maio, nós comemoramos no Brasil o Dia das Mães. Nestes tempos de “mudança de época” nunca teria imaginado que falar sobre a maternidade fosse um dia ser um perigo de não estar “politicamente correto”. Parecia ser algo tão conatural à vida humana e, ao mesmo tempo, tão significativo para a sociedade, que lutamos para ser cada vez mais fraterna e unida. Portanto, neste tempo que é dedicado à nossa mãe comum, Maria, é importante também refletir e homenagear nossas mães.

Ser mãe é ser sinônimo de: afeto, carinho, amor, aconchego, doação e todos os qualitativos que existem, que servem para designar estas que criam com amor e doação os seus queridos filhos. Uma boa maneira de contemplar este tempo é trazer exemplos de mães que foram mulheres de misericórdia, para celebrar o jubileu extraordinário neste ano santo: a Bem-Aventurada Virgem Maria, Santa Zélia Martin e Zilda Arns.

Jesus Cristo, Deus feito homem, é a plena expressão da misericórdia divina, manifestada de muitas maneiras ao longo da história da salvação. O Senhor entregou-se na Cruz num ato supremo de Amor misericordioso, e agora exerce esse amor compassivo do Céu e no Sacrário. Jesus, no alto da Cruz, entrega sua Mãe aos cuidados de João, e, assim João a Virgem Maria. Nesse momento, Maria assume a Maternidade da humanidade. Ela foi exemplo de mãe, soube muito bem criar o seu Divino Filho. Deu amor a Ele, educou-O e assim deixou livre para que Ele fizesse a vontade do Pai. A nossa Mãe Santa Maria alcança-nos continuamente a compaixão do seu Filho e nos ensina o modo de nos comportamos em face das necessidades próprias e alheias.

Maria “é aquela que conhece mais a fundo o mistério da misericórdia divina. Conhece o seu preço e sabe como é elevado. Neste sentido, chamamo-la Mãe de Misericórdia, Nossa Senhora da Misericórdia ou Mãe da Divina Misericórdia. Em cada um desses títulos encerra-se um profundo significado teológico, porque todos eles exprimem a particular preparação da sua alma, de toda a sua pessoa, que lhe permitiu ver – primeiro, através daqueles que dizem respeito a cada um dos homens e à humanidade inteira – aquela misericórdia da qual todos participamos, segundo o eterno desígnio da Santíssima Trindade, de geração em geração” (cf. Lc 1, 50).

Em Maria, a misericórdia une-se à piedade de mãe; Ela nos conduz sempre ao Trono da graça. O título de Mãe de Misericórdia, alcançado com o seu “fiat” – faça-se – em Nazaré e no Calvário, é um dos seus maiores e mais belos nomes. Maria é o nosso consolo e a nossa segurança: “Com o seu amor maternal, cuida dos irmãos do seu Filho que ainda peregrinam e se acham em perigos e ansiedades até que sejam conduzidos à pátria celestial”. “Por este motivo, a Santíssima Virgem é invocada na Igreja com os títulos de Advogada, Consoladora, Auxiliadora, Socorro, Medianeira”. “Nem um só dia a Virgem deixou de, como mãe, ajudar-nos, de proteger-nos, de interceder pelas nossas necessidades”.

Um belo exemplo é também o de Santa Zélia Martin, mãe da padroeira das missões: Santa Teresinha do Menino Jesus. Fora mãe deSanta Teresinha do Menino Jesus e de mais quatro meninas, todas elas foram religiosas. Mas, como ela conseguiu uma família tão apaixonada por Jesus assim? Um dia de cada vez. Quando Teresa nasceu Zélia orou, como sempre fazia quando nascia um filho seu: “Senhor, concedei-me a graça de que ela vos seja consagrada e de nada vir a manchar a pureza de sua alma. Se há de perder-se um dia, prefiro que a leveis imediatamente para o Céu”. Zélia já tinha 41 anos quando Teresa nasceu. Parecia cansada e o pai, seu Louis, andava preocupado. Pudera! Com aquela dor no seio que a impedia de amamentar… Zélia escreveu para sua irmã: “Se Nosso Senhor me concedesse a graça de poder amamentar, que prazer seria para mim”!Zélia vivia escrevendo para sua filha Paulina, que morava no colégio onde estudava, contando as travessuras de Teresa. Coisas do tipo: “Querida Paulina, ainda não completou dois anos e já fala quase tudo, reza como um anjinho e canta pequenas musiquinhas… Teresa escapou e disse que estava indo à Missa… Está com gripe… Só tem dois anos e diz que quer ser religiosa…”. Ela foi grande exemplo de mãe, tanto que com seu amor a Jesus conseguiu entregar suas filhas ao Coração do Senhor misericordioso.

Um exemplo bem perto de nós foiDra. Zilda Arns Neumann. Foi médica pediatra e sanitarista, fundadora e coordenadora internacional da Pastoral da Criança, fundadora e coordenadora nacional da Pastoral da Pessoa Idosa – organismos de ação social da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). Dra. Zilda Arns também foi representante titular da CNBB, no Conselho Nacional de Saúde, e ainda membro do Conselho Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES). Nascida em Forquilhinha (SC), residia em Curitiba (PR), mãe de cinco filhos e avó de dez netos. Escolheu a medicina como missão e enveredou pelos caminhos da saúde pública. Foi em 1983 que, a pedido da CNBB, a Dra. Zilda Arns criou a Pastoral da Criança juntamente com Dom Geraldo Majela Agnello, Cardeal Arcebispo Primaz de São Salvador da Bahia, que na época era Arcebispo de Londrina. Como Mãe foi exemplo de amor, de fé e doação. Ela é considerada a grande mãe daqueles que sofrem. Soube em vida unir a profissão e a missão, tanto que era tão dedicada que morreu fazendo missão àqueles que mais precisam. Foi a mãe das crianças de uma pastoral que mudou o Brasil.

Portanto, nesse dia queremos agradecer a Deus por todas as mães. Temos vários exemplos de mães trabalhadoras e dedicadas aos seus filhos. Ao recordarmos dos três exemplos acima, sem dúvida colocamos as nossas mães e tantos outros exemplos que temos de mulheres trabalhadoras e mães exemplares. Peço à Mãe da Misericórdia que olhe para cada mãe e, lhes dê, assim, a graça de sempre educar seus filhos no caminho do Mestre-Jesus. 

Cardeal Orani João Tempesta
Autor

Cardeal Orani João Tempesta

Arcebispo da Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro