Arquidiocese do Rio de Janeiro

27º 22º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 27/04/2017

27 de Abril de 2017

A pessoa do Pastor

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

27 de Abril de 2017

A pessoa do Pastor

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

25/04/2016 15:10 - Atualizado em 27/04/2016 10:24

A pessoa do Pastor 0

25/04/2016 15:10 - Atualizado em 27/04/2016 10:24

Diante do panorama politico, social e religioso que vivemos atualmente, percebemos que a humanidade encontra-se em meio a uma crise de valores. E a Igreja, de modo particular, é chamada a tomar posição diante desta realidade. Mediante a estes desafios tem se preocupado cada vez mais com a formação dos futuros sacerdotes para que possam dialogar com o mundo atual apresentando-lhes a mensagem de Cristo, não só por meio da pregação, mas sobretudo, através do testemunho de uma vida santa e feliz.

O sacerdote deve saber, que a primeira finalidade do seu ministério é conduzir as pessoas a seguir Jesus Cristo, fazendo com que elas trabalhem pela própria conversão a fim de que cada vez mais tornem-se semelhantes a Ele. Para que tal é necessário investir na formação dos futuros pastores de almas: os seminaristas. Fomentando neles uma coesa e solida formação humana, espiritual, intelectual e pastoral. È o que relata o documento “Pastoris Dabo Vobis” ao sublinhar aspectos essenciais para aqueles que desejam tornar-se sacerdotes.

A vida do sacerdote abarca não só o âmbito pastoral de uma comunidade, mas também a questão administrativa. Entretanto, estes dois aspectos devem caminhar harmonicamente, ou seja, em perfeito equilíbrio, pois quando valorizamos um destes pontos em detrimento do outro a comunidade acaba tornando-se frágil, sem os alicerces principais. Uma vez que a Graça de Deus não se manifesta apenas quando se promove grandes construções, por meio de eventos paroquiais, ou mesmo na estabilidade financeira, mas principalmente na santidade do povo.

Para que se possa alcançar uma excelência no que tange os futuros sacerdotes é necessário que os seminaristas, desde o início, promovam entre si a generosidade, a fraternidade, e possuam um coração indiviso e misericordioso, permeados pela humildade e obediência. Só assim poderão servir o povo com alegria e amor e ser para cada pessoa que encontrar um “Alter Christus Caput” ( Outro Cristo Cabeça). Aquele que tem “o cheiro das ovelhas” e, como também nos ensina o Papa Francisco, faz da Igreja um “Hospital de Campanha”, anunciando a misericórdia, a esperança e o amor de Deus a toda a humanidade.



Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.

A pessoa do Pastor

25/04/2016 15:10 - Atualizado em 27/04/2016 10:24

Diante do panorama politico, social e religioso que vivemos atualmente, percebemos que a humanidade encontra-se em meio a uma crise de valores. E a Igreja, de modo particular, é chamada a tomar posição diante desta realidade. Mediante a estes desafios tem se preocupado cada vez mais com a formação dos futuros sacerdotes para que possam dialogar com o mundo atual apresentando-lhes a mensagem de Cristo, não só por meio da pregação, mas sobretudo, através do testemunho de uma vida santa e feliz.

O sacerdote deve saber, que a primeira finalidade do seu ministério é conduzir as pessoas a seguir Jesus Cristo, fazendo com que elas trabalhem pela própria conversão a fim de que cada vez mais tornem-se semelhantes a Ele. Para que tal é necessário investir na formação dos futuros pastores de almas: os seminaristas. Fomentando neles uma coesa e solida formação humana, espiritual, intelectual e pastoral. È o que relata o documento “Pastoris Dabo Vobis” ao sublinhar aspectos essenciais para aqueles que desejam tornar-se sacerdotes.

A vida do sacerdote abarca não só o âmbito pastoral de uma comunidade, mas também a questão administrativa. Entretanto, estes dois aspectos devem caminhar harmonicamente, ou seja, em perfeito equilíbrio, pois quando valorizamos um destes pontos em detrimento do outro a comunidade acaba tornando-se frágil, sem os alicerces principais. Uma vez que a Graça de Deus não se manifesta apenas quando se promove grandes construções, por meio de eventos paroquiais, ou mesmo na estabilidade financeira, mas principalmente na santidade do povo.

Para que se possa alcançar uma excelência no que tange os futuros sacerdotes é necessário que os seminaristas, desde o início, promovam entre si a generosidade, a fraternidade, e possuam um coração indiviso e misericordioso, permeados pela humildade e obediência. Só assim poderão servir o povo com alegria e amor e ser para cada pessoa que encontrar um “Alter Christus Caput” ( Outro Cristo Cabeça). Aquele que tem “o cheiro das ovelhas” e, como também nos ensina o Papa Francisco, faz da Igreja um “Hospital de Campanha”, anunciando a misericórdia, a esperança e o amor de Deus a toda a humanidade.



Alan Augusto Gomes Barroso
Autor

Alan Augusto Gomes Barroso

Seminarista do 3° ano de Teologia - Seminário - São José