Arquidiocese do Rio de Janeiro

31º 24º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 26/03/2019

26 de Março de 2019

“A Alegria do Amor”

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

26 de Março de 2019

“A Alegria do Amor”

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

20/04/2016 18:27 - Atualizado em 20/04/2016 19:24

“A Alegria do Amor” 0

20/04/2016 18:27 - Atualizado em 20/04/2016 19:24

Esta Exortação Apostólica é fruto de dois anos de trabalhos nos Sínodos — 2014 e 2015 — convocados pelo Papa que quis ouvir as bases, para dar uma palavra de Esperança e é, justamente, esta uma verdadeira carta do Amor na Família, com razão é assinada no dia 19 de março, dia da Solenidade de São José. No dizer do Papa Francisco trata-se de um “precioso poliedro” (n. 04), como uma bola de futebol onde temos várias peças poligonais costuradas lado a lado. O formato arredondado dessas peças deve-se à pressão interna do ar. Sem essa pressão interna, a superfície não seria arredondada, por isso a reunião dessa superfície com o seu interior é um exemplo de poliedro. No caso, o ouvir e anotar por dois anos cada peça da superfície nos faz montar a bola, sem se esquecer do ar do interior, que aqui é o próprio Espírito Santo.

O Romano Pontífice aproveita todas as contribuições e inclusive as cita inclusive personalidades, como Martin Luther King ou Erich Fromm. Curioso é a citação de um filme onde se explica o conceito de gratuidade, ou seja, “A Festa de Babette” .

Trata-se de um documento muito esperado. É um meio de levar aqueles que ajudam as famílias, destacando-se os sacerdotes e demais agentes de pastorais, a terem verdadeira misericórdia de irem ao encontro de muitos casos que ainda não estão regulares, mas que devem ser acolhidos e não descartados como faz a sociedade. É preciso buscar “soluções mais inculturadas, atentas às tradições e aos desafios locais”. Não podemos globalizar respostas, mas devemos humanizar tais respostas. Por isso, nada de ansiedade de mudanças e nem simples aplicação de normas abstratas.

Cada um é chamado a viver na alegria da família, por isso mesmo o documento é amplo, mas pleno de articulação e, com razão, pode ser lido aos poucos, verdadeiramente saboreado parte a parte, num verdadeiro grupo de reflexão inspirado pelo Espírito Santo.

Se as famílias conseguissem se reunirem, por pelo menos uma hora, lendo e saboreando estas palavras desta exortação pós-sinodal, é o convite do Papa, afinal a Família é uma oportunidade e não um problema!

Que estes IX capítulos, em seus 325 parágrafos, nos impulsione cada vez mais a plena consciência da ‘Família’, que precisa ser cada vez mais aprofundado e compreendido. Iniciemos com os dois primeiros capítulos.

Cap. I – À Luz da Palavra
Este capítulo com 22 parágrafos (nn. 08-30) o Papa demostra fundamentos e luzes Bíblicas meditando o Salmo 128, próprio da liturgia hebraica-cristã. Os subtítulos, ‘Tu e a tua esposa (nn. 09-13), Os teus filhos como brotos de oliveira (nn. 14-18), Um rastro de sofrimento e sangue (nn. 19-22), O fruto do teu próprio trabalho (nn. 23-26), A ternura do abraço (nn. 27-30)’, nos revelam a presença da família com suas gerações e histórias de amor e crises desde o início da Sagrada Escritura. Com isso o Papa quer demonstrar que a família não é um ideal abstrato, mas bem concreto, com altos e baixos inclusive. A Palavra de Deus mostra-nos como companheira de uma viagem, que nem sempre significa ser fácil, mas que tem momentos até dramáticos, mas que chegam a meta do verdadeiro caminho.

Cap. II – Realidade e os desafios das famílias
Aqui temos não uma mera análise de conjuntura atual familiar, mas a real situação das famílias, descritas nestes 26 parágrafos (nn. 31-57), em dois subtítulos objetivos: A situação atual da família (nn. 32-49) e alguns desafios (nn. 50-57).

O mundo contemporâneo passa por situações desafiadoras para a Igreja, como a migração, cultura do provisório, mentalidade antinatalidade, questões impactantes da biotecnologias na procriação, falta de moradia e trabalho, insegurança profissional, econômico e medo relacional, pornografia, abuso de menores, o olhar para as pessoas deficientes e idosas (eutanásia e suicídio assistido), função educativa, ansiedade com futuro sem viver o presente, toxicodependência (álcool, jogos de azar), violência familiar como agressividade social, variedades situações familiares/uniões de fato, pessoas do mesmo sexo não podem ser equiparadas ao matrimônio, a prática da poligamia, desconstrução jurídica familiar; força da família a ensinar a amar; violência verbal, física e sexual contra a mulher; mutilação genital; aluguel de ventres; dignidade entre o homem e mulher; ausência do pai marca gravemente a vida familiar, a educação dos filhos e a sua inserção na sociedade; gender = negação natural ideológica da diferença de sexo [não esquecer que “sexo biológico (sex) e função sociocultural do sexo (gender), podem-se distinguir, mas não separar”, ou seja, não confundir ‘teorias’ de ver e interpretar a realidade com ‘ideologias’. Eis aqui o que observava o Papa Bento XVI, ou seja, a questão social se tornou um problema antropológico. E esta crise antropológica atinge a cultura atual.

O Papa cita Familiaris consortio, ratificando seu valor e sua vitalidade em nossos tempos. É preciso ouvir a realidade para compreender as exigências do presente e os apelos do Espírito. É preciso lutar contra o individualismo exacerbado que abafa a generosidade a outra pessoa, pois se teme a solidão, desejando proteção e fidelidade, no entanto, adia-se a o satisfazer pessoal devido o medo de relacionar-se seriamente.

A nossa realidade nos chama um matrimônio com abstrações idealísticas, pois não temos a família que queremos, temos a que construímos e a que está aí e é esta que pode crescer e equilibrar-se numa harmonia não ideal, mas real. Afinal o matrimônio nos leva a uma via dinâmica do crescer e realizar. Aqui nasce a possibilidade de chamamos a todos os fiéis a tomarem consciência, para que cada uma, em sua situação particular faça uma autocrítica e saiba que meios seguir. Jesus sempre foi exigente, mas também sempre foi próximo das pessoas, por exemplo a mulher adúltera (cf. n. 38).

O Papa Francisco disse noutro discurso que “é verdade que existe uma crise econômica, uma crise cultural, uma crise da fé, mas no fundo é a pessoa humana a estar em perigo”. E aqui cabe perfeitamente este entendimento, o que está em perigo é a família, é o casal, que precisa ser acolhido e ouvido, daí toma-se decisões a seguir o caminho.



Orani João, Cardeal Tempesta, O.Cist.
Arcebispo Metropolitano de São Sebastião do Rio de Janeiro, RJ.
 
 
Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.

“A Alegria do Amor”

20/04/2016 18:27 - Atualizado em 20/04/2016 19:24

Esta Exortação Apostólica é fruto de dois anos de trabalhos nos Sínodos — 2014 e 2015 — convocados pelo Papa que quis ouvir as bases, para dar uma palavra de Esperança e é, justamente, esta uma verdadeira carta do Amor na Família, com razão é assinada no dia 19 de março, dia da Solenidade de São José. No dizer do Papa Francisco trata-se de um “precioso poliedro” (n. 04), como uma bola de futebol onde temos várias peças poligonais costuradas lado a lado. O formato arredondado dessas peças deve-se à pressão interna do ar. Sem essa pressão interna, a superfície não seria arredondada, por isso a reunião dessa superfície com o seu interior é um exemplo de poliedro. No caso, o ouvir e anotar por dois anos cada peça da superfície nos faz montar a bola, sem se esquecer do ar do interior, que aqui é o próprio Espírito Santo.

O Romano Pontífice aproveita todas as contribuições e inclusive as cita inclusive personalidades, como Martin Luther King ou Erich Fromm. Curioso é a citação de um filme onde se explica o conceito de gratuidade, ou seja, “A Festa de Babette” .

Trata-se de um documento muito esperado. É um meio de levar aqueles que ajudam as famílias, destacando-se os sacerdotes e demais agentes de pastorais, a terem verdadeira misericórdia de irem ao encontro de muitos casos que ainda não estão regulares, mas que devem ser acolhidos e não descartados como faz a sociedade. É preciso buscar “soluções mais inculturadas, atentas às tradições e aos desafios locais”. Não podemos globalizar respostas, mas devemos humanizar tais respostas. Por isso, nada de ansiedade de mudanças e nem simples aplicação de normas abstratas.

Cada um é chamado a viver na alegria da família, por isso mesmo o documento é amplo, mas pleno de articulação e, com razão, pode ser lido aos poucos, verdadeiramente saboreado parte a parte, num verdadeiro grupo de reflexão inspirado pelo Espírito Santo.

Se as famílias conseguissem se reunirem, por pelo menos uma hora, lendo e saboreando estas palavras desta exortação pós-sinodal, é o convite do Papa, afinal a Família é uma oportunidade e não um problema!

Que estes IX capítulos, em seus 325 parágrafos, nos impulsione cada vez mais a plena consciência da ‘Família’, que precisa ser cada vez mais aprofundado e compreendido. Iniciemos com os dois primeiros capítulos.

Cap. I – À Luz da Palavra
Este capítulo com 22 parágrafos (nn. 08-30) o Papa demostra fundamentos e luzes Bíblicas meditando o Salmo 128, próprio da liturgia hebraica-cristã. Os subtítulos, ‘Tu e a tua esposa (nn. 09-13), Os teus filhos como brotos de oliveira (nn. 14-18), Um rastro de sofrimento e sangue (nn. 19-22), O fruto do teu próprio trabalho (nn. 23-26), A ternura do abraço (nn. 27-30)’, nos revelam a presença da família com suas gerações e histórias de amor e crises desde o início da Sagrada Escritura. Com isso o Papa quer demonstrar que a família não é um ideal abstrato, mas bem concreto, com altos e baixos inclusive. A Palavra de Deus mostra-nos como companheira de uma viagem, que nem sempre significa ser fácil, mas que tem momentos até dramáticos, mas que chegam a meta do verdadeiro caminho.

Cap. II – Realidade e os desafios das famílias
Aqui temos não uma mera análise de conjuntura atual familiar, mas a real situação das famílias, descritas nestes 26 parágrafos (nn. 31-57), em dois subtítulos objetivos: A situação atual da família (nn. 32-49) e alguns desafios (nn. 50-57).

O mundo contemporâneo passa por situações desafiadoras para a Igreja, como a migração, cultura do provisório, mentalidade antinatalidade, questões impactantes da biotecnologias na procriação, falta de moradia e trabalho, insegurança profissional, econômico e medo relacional, pornografia, abuso de menores, o olhar para as pessoas deficientes e idosas (eutanásia e suicídio assistido), função educativa, ansiedade com futuro sem viver o presente, toxicodependência (álcool, jogos de azar), violência familiar como agressividade social, variedades situações familiares/uniões de fato, pessoas do mesmo sexo não podem ser equiparadas ao matrimônio, a prática da poligamia, desconstrução jurídica familiar; força da família a ensinar a amar; violência verbal, física e sexual contra a mulher; mutilação genital; aluguel de ventres; dignidade entre o homem e mulher; ausência do pai marca gravemente a vida familiar, a educação dos filhos e a sua inserção na sociedade; gender = negação natural ideológica da diferença de sexo [não esquecer que “sexo biológico (sex) e função sociocultural do sexo (gender), podem-se distinguir, mas não separar”, ou seja, não confundir ‘teorias’ de ver e interpretar a realidade com ‘ideologias’. Eis aqui o que observava o Papa Bento XVI, ou seja, a questão social se tornou um problema antropológico. E esta crise antropológica atinge a cultura atual.

O Papa cita Familiaris consortio, ratificando seu valor e sua vitalidade em nossos tempos. É preciso ouvir a realidade para compreender as exigências do presente e os apelos do Espírito. É preciso lutar contra o individualismo exacerbado que abafa a generosidade a outra pessoa, pois se teme a solidão, desejando proteção e fidelidade, no entanto, adia-se a o satisfazer pessoal devido o medo de relacionar-se seriamente.

A nossa realidade nos chama um matrimônio com abstrações idealísticas, pois não temos a família que queremos, temos a que construímos e a que está aí e é esta que pode crescer e equilibrar-se numa harmonia não ideal, mas real. Afinal o matrimônio nos leva a uma via dinâmica do crescer e realizar. Aqui nasce a possibilidade de chamamos a todos os fiéis a tomarem consciência, para que cada uma, em sua situação particular faça uma autocrítica e saiba que meios seguir. Jesus sempre foi exigente, mas também sempre foi próximo das pessoas, por exemplo a mulher adúltera (cf. n. 38).

O Papa Francisco disse noutro discurso que “é verdade que existe uma crise econômica, uma crise cultural, uma crise da fé, mas no fundo é a pessoa humana a estar em perigo”. E aqui cabe perfeitamente este entendimento, o que está em perigo é a família, é o casal, que precisa ser acolhido e ouvido, daí toma-se decisões a seguir o caminho.



Orani João, Cardeal Tempesta, O.Cist.
Arcebispo Metropolitano de São Sebastião do Rio de Janeiro, RJ.
 
 
Cardeal Orani João Tempesta
Autor

Cardeal Orani João Tempesta

Arcebispo da Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro