Arquidiocese do Rio de Janeiro

33º 23º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 19/03/2019

19 de Março de 2019

Pátios dos Encontros

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

19 de Março de 2019

Pátios dos Encontros

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

20/04/2016 18:15 - Atualizado em 20/04/2016 19:22

Pátios dos Encontros 0

20/04/2016 18:15 - Atualizado em 20/04/2016 19:22

Entre os dias 6 e 8 de abril a Arquidiocese do Rio de Janeiro realizou, com grande e singular êxito, o evento "Pátio dos Encontros" também chamado de "Pátio dos Gentios".

A iniciativa teve como meta promover o diálogo entre crentes e não crentes a respeito de temas relacionados com a ciência, a cultura e a fé. Entres os interlocutores do evento, tivemos a honrosa presença do Eminentíssimo Senhor Cardeal Gianfranco Ravasi, Presidente do Pontifício Conselho para a Cultura, intelectual reconhecido em todo mundo pela sua presença no mundo da cultura. Houve encontros entre o purpurado e figuras influentes da sociedade carioca ao longo desses dias. Agradecemos a Deus pela participação de nossas paróquias no evento principal que lotou o Teatro Municipal e foi um vivo exemplo do que queremos para o diálogo entre os homens e as mulheres e a nossa sociedade.

O Pátio dos gentios é uma iniciativa do Pontifício Conselho para a Cultura do Vaticano e esta, com o nome de Pátio dos Encontros, foi a primeira vez que foi realizado aqui no Brasil. Outro evento do mesmo gênero foi realizado na Pontifícia Universidade Católica do Paraná entres os dias 11 e 13 de abril, como nome de Átrio dos Gentios. Aqui no Rio, o evento teve desdobramentos no Museu Nacional de Belas Artes, no Cristo Redentor, Museu do Amanhã, Palácio São Joaquim, Firjan e Teatro Municipal, sendo este último foi o ponto alto desta série de eventos. Houve a aula inaugural na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro sobre o tema da “Laudato Si”.

A primeira reunião do ‘Pátio dos Gentios’ ocorreu em março de 2011, em Paris, na França, por iniciativa do Pontifício Conselho para a Cultura inspirado pelo então no discurso de Natal do então Papa Bento XVI à Cúria Romana, em 2009. Depois, o encontro se concretizou em várias cidades da Europa e da América, e agora, pela primeira vez, aconteceu no Brasil.

A visita do Cardeal Ravasi ao Rio corresponde ao apelo do Papa Francisco sobre a cultura do encontro, que ressoou durante a Jornada Mundial da Juventude Rio2013, ao se dirigir para mais de duas mil pessoas presentes no Teatro Municipal. Desde então, a Igreja Católica intensifica seus diálogos inter-religiosos, em todo lugar que se faz presente.

O tema do nosso evento, "Ética e transcendência", assume um caráter "provocativo" aos cristãos leigos, além de ter o intuito de responder a seguinte questão: "De onde vem a sua ética?". Numa sociedade onde a crise ética é uma grande realidade, necessita-se perguntar pela ética e refletir sobre a relação entre ‘Ética e Transcendência’. A partir dessa temática e da indagação “De onde vem a minha Ética?”, buscou-se promover encontros entre os diversos setores e atores da sociedade carioca. A expressão, originalmente chamada de ‘Pátio dos Gentios’, remete à área do antigo Templo de Jerusalém, que podia receber quem não era judeu para falar sobre a fé.

Na abertura do encontro, falei e lembrei que falta de ética alimenta a injustiça e que o resgate dos valores morais deve ser um esforço diário para o diálogo apesar das diferenças e chegar a conclusões para promover a cultura da paz e do encontro.

Em unidade com o Papa Francisco, que aqui no Rio no “Discurso aos construtores da sociedade” recordou a cultura do encontro e a necessidade do diálogo! “Por certo, não se trata de um tema escolhido em decorrência deste ou daquele acontecimento. Sua realização tem sido pensada desde quando o Santo Padre aqui, neste Teatro, nos lançou o desafio. Não podemos, entretanto, negar que exatamente o atual momento transforma o tema da ética em urgência a ser enfrentada”. (Discurso meu sobre “Ética e Transcendência” proferidos no Pátio dos Encontros, no Theatro Municipal).

“A ética é uma realidade humana e, por isso, deve ser sempre abordada, ainda mais quando a perplexidade toma conta de todos nós. A chaga da corrupção sistêmica, a qual o Papa Francisco tem se referido muitas vezes, supõe uma séria tomada de posição e, ao mesmo tempo em que discernimos objetivamente sem medo da verdade, tomamos o caminho do diálogo propondo soluções que levem em consideração o respeito pelo diferente e pelo contraditório num ambiente de paz e fraternidade. São grandes, bem sabemos, as sequelas de uma realidade onde a ética não recebe a devida importância. Uma sociedade que não leva a sério a ética, cria situações de profunda injustiças no presente e mina as bases do seu futuro. A falta de ética causa sofrimento de tantos seres humanos, sofrimento esse unido à degradação ecológica, “clama de nós um outro rumo”, como nos alertou o Santo Padre Francisco em sua Encíclica Laudato Si’, sobre o cuidado com a Casa Comum” ((Discurso meu sobre “Ética e Transcendência” proferidos no Pátio dos Encontros, no Theatro Municipal).

Na atual conjuntura nacional o Evento “Pátio dos Encontros” significou que queremos promover os encontros de pensamentos divergentes para que possamos formular uma sociedade mais tolerante, que dialoga e que sempre sabe ouvir o que pensa diferentemente do seu interlocutor. Que este singular evento, tão esperado por nós desde a clausura da JMJRio 2013, possa agora surtir os efeitos esperados em nossas comunidades, paróquias, na nossa cidade e na nossa Arquidiocese.

Agradeço a todos que prepararam e vivenciaram esse belo momento em nossa cidade. Iremos continuar percorrendo esse caminho do diálogo com outros eventos no futuro. Contudo, este encontro foi de suma importância para nós, pois, nos fez refletir a respeito de valores que são fundamentais para o ser humano. O que tiramos de proveito do encontro foi o convívio, o diálogo e a capacidade de lutar e buscar no mundo pela justiça, pelo bem do outro e pela paz.


Orani João, Cardeal Tempesta, O.Cist.
Arcebispo Metropolitano de São Sebastião do Rio de Janeiro, RJ.
 
Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.

Pátios dos Encontros

20/04/2016 18:15 - Atualizado em 20/04/2016 19:22

Entre os dias 6 e 8 de abril a Arquidiocese do Rio de Janeiro realizou, com grande e singular êxito, o evento "Pátio dos Encontros" também chamado de "Pátio dos Gentios".

A iniciativa teve como meta promover o diálogo entre crentes e não crentes a respeito de temas relacionados com a ciência, a cultura e a fé. Entres os interlocutores do evento, tivemos a honrosa presença do Eminentíssimo Senhor Cardeal Gianfranco Ravasi, Presidente do Pontifício Conselho para a Cultura, intelectual reconhecido em todo mundo pela sua presença no mundo da cultura. Houve encontros entre o purpurado e figuras influentes da sociedade carioca ao longo desses dias. Agradecemos a Deus pela participação de nossas paróquias no evento principal que lotou o Teatro Municipal e foi um vivo exemplo do que queremos para o diálogo entre os homens e as mulheres e a nossa sociedade.

O Pátio dos gentios é uma iniciativa do Pontifício Conselho para a Cultura do Vaticano e esta, com o nome de Pátio dos Encontros, foi a primeira vez que foi realizado aqui no Brasil. Outro evento do mesmo gênero foi realizado na Pontifícia Universidade Católica do Paraná entres os dias 11 e 13 de abril, como nome de Átrio dos Gentios. Aqui no Rio, o evento teve desdobramentos no Museu Nacional de Belas Artes, no Cristo Redentor, Museu do Amanhã, Palácio São Joaquim, Firjan e Teatro Municipal, sendo este último foi o ponto alto desta série de eventos. Houve a aula inaugural na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro sobre o tema da “Laudato Si”.

A primeira reunião do ‘Pátio dos Gentios’ ocorreu em março de 2011, em Paris, na França, por iniciativa do Pontifício Conselho para a Cultura inspirado pelo então no discurso de Natal do então Papa Bento XVI à Cúria Romana, em 2009. Depois, o encontro se concretizou em várias cidades da Europa e da América, e agora, pela primeira vez, aconteceu no Brasil.

A visita do Cardeal Ravasi ao Rio corresponde ao apelo do Papa Francisco sobre a cultura do encontro, que ressoou durante a Jornada Mundial da Juventude Rio2013, ao se dirigir para mais de duas mil pessoas presentes no Teatro Municipal. Desde então, a Igreja Católica intensifica seus diálogos inter-religiosos, em todo lugar que se faz presente.

O tema do nosso evento, "Ética e transcendência", assume um caráter "provocativo" aos cristãos leigos, além de ter o intuito de responder a seguinte questão: "De onde vem a sua ética?". Numa sociedade onde a crise ética é uma grande realidade, necessita-se perguntar pela ética e refletir sobre a relação entre ‘Ética e Transcendência’. A partir dessa temática e da indagação “De onde vem a minha Ética?”, buscou-se promover encontros entre os diversos setores e atores da sociedade carioca. A expressão, originalmente chamada de ‘Pátio dos Gentios’, remete à área do antigo Templo de Jerusalém, que podia receber quem não era judeu para falar sobre a fé.

Na abertura do encontro, falei e lembrei que falta de ética alimenta a injustiça e que o resgate dos valores morais deve ser um esforço diário para o diálogo apesar das diferenças e chegar a conclusões para promover a cultura da paz e do encontro.

Em unidade com o Papa Francisco, que aqui no Rio no “Discurso aos construtores da sociedade” recordou a cultura do encontro e a necessidade do diálogo! “Por certo, não se trata de um tema escolhido em decorrência deste ou daquele acontecimento. Sua realização tem sido pensada desde quando o Santo Padre aqui, neste Teatro, nos lançou o desafio. Não podemos, entretanto, negar que exatamente o atual momento transforma o tema da ética em urgência a ser enfrentada”. (Discurso meu sobre “Ética e Transcendência” proferidos no Pátio dos Encontros, no Theatro Municipal).

“A ética é uma realidade humana e, por isso, deve ser sempre abordada, ainda mais quando a perplexidade toma conta de todos nós. A chaga da corrupção sistêmica, a qual o Papa Francisco tem se referido muitas vezes, supõe uma séria tomada de posição e, ao mesmo tempo em que discernimos objetivamente sem medo da verdade, tomamos o caminho do diálogo propondo soluções que levem em consideração o respeito pelo diferente e pelo contraditório num ambiente de paz e fraternidade. São grandes, bem sabemos, as sequelas de uma realidade onde a ética não recebe a devida importância. Uma sociedade que não leva a sério a ética, cria situações de profunda injustiças no presente e mina as bases do seu futuro. A falta de ética causa sofrimento de tantos seres humanos, sofrimento esse unido à degradação ecológica, “clama de nós um outro rumo”, como nos alertou o Santo Padre Francisco em sua Encíclica Laudato Si’, sobre o cuidado com a Casa Comum” ((Discurso meu sobre “Ética e Transcendência” proferidos no Pátio dos Encontros, no Theatro Municipal).

Na atual conjuntura nacional o Evento “Pátio dos Encontros” significou que queremos promover os encontros de pensamentos divergentes para que possamos formular uma sociedade mais tolerante, que dialoga e que sempre sabe ouvir o que pensa diferentemente do seu interlocutor. Que este singular evento, tão esperado por nós desde a clausura da JMJRio 2013, possa agora surtir os efeitos esperados em nossas comunidades, paróquias, na nossa cidade e na nossa Arquidiocese.

Agradeço a todos que prepararam e vivenciaram esse belo momento em nossa cidade. Iremos continuar percorrendo esse caminho do diálogo com outros eventos no futuro. Contudo, este encontro foi de suma importância para nós, pois, nos fez refletir a respeito de valores que são fundamentais para o ser humano. O que tiramos de proveito do encontro foi o convívio, o diálogo e a capacidade de lutar e buscar no mundo pela justiça, pelo bem do outro e pela paz.


Orani João, Cardeal Tempesta, O.Cist.
Arcebispo Metropolitano de São Sebastião do Rio de Janeiro, RJ.
 
Cardeal Orani João Tempesta
Autor

Cardeal Orani João Tempesta

Arcebispo da Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro