Arquidiocese do Rio de Janeiro

32º 24º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 20/03/2019

20 de Março de 2019

Maria encontra com seu Filho Jesus

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

20 de Março de 2019

Maria encontra com seu Filho Jesus

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

22/03/2016 00:00 - Atualizado em 24/03/2016 11:50

Maria encontra com seu Filho Jesus 0

22/03/2016 00:00 - Atualizado em 24/03/2016 11:50

A celebração do encontro é a representação do encontro de Jesus e Maria Santíssima na Via Crucis. Dentro da Semana Santa, também chamada de “A Grande Semana”, em muitas paróquias realiza-se a “Procissão do Encontro” entre: o Senhor dos Passos e Nossa Senhora das Dores.

Nas Sagradas Escrituras é encontrado o relato da paixão de Cristo, quando muitas pessoas acompanhavam Jesus no caminho do calvário. Certamente sua Mãe Santíssima também O acompanhava neste caminho doloroso. A tradição católica, para relembrar este momento tão emocionante, criou a Procissão do Encontro. A procissão do encontro é uma prática religiosa popular muito antiga. O Documento de Aparecida pede o respeito e o incremento pela piedade popular, tão zelosamente demonstrado pelo Papa Francisco nos seus gestos junto às imagens.

Na Procissão do Encontro o povo de Deus se reúne geralmente em dois grupos, um formado basicamente por homens e outro grupo por mulheres. Cada grupo carrega uma imagem: os homens carregam a imagem do Bom Jesus dos Passos, e as mulheres carregam a imagem de Nossa Senhora das Dores.

Esse gesto e atividade nos fazem refletir sobre o sentido desse encontro. Vemos Maria firme na companhia de Seu Filho Amado. Esta firmeza de Maria a aproxima do Filho sofredor e se encaminha com Ele para a cruz. Maria é, portanto, a discípula fiel que não deixa o Senhor sozinho. Jesus é vítima da violência contida no coração dos homens, é vítima do abandono por parte dos amigos, da rejeição por parte da classe religiosa da época, do escárnio dos romanos que irão executar uma pena arquitetada contra um inocente.

A mãe de Jesus está lá, marcada pela dor e pelo sofrimento, mas permanece em pé, firme e disposta a seguir seu Filho para o extremo da cruz! Acompanhar os sofredores é uma forma de amenizar o sofrimento. Compadecer-se de quem sofre é uma maneira de diminuir a carga. Vislumbrando Maria que acompanha Jesus em sua caminhada, nós vemos reluzir em um destaque no altar da cruz o sacrifício de Deus, que se entrega por amor de nós, e em outra instância vemos acontecer no coração de Maria, que se faz presente no sofrimento do Filho, o que Jesus deseja que aconteça na vida de cada um de nós: a purificação de nossa vida por meio do Sacrifício da cruz. Então, tomando a sério como esta afirmação merece, diremos sem dúvida alguma que Maria é o modelo mais concreto da santificação que Jesus nos concede por meio de sua vida entregue na cruz pelos pecadores. É o poder que emana da cruz que nos possibilita carregar a nossa cruz. Maria nos ensina como se comportar diante da cruz, pois sem cruz não há salvação. A salvação passa pela cruz.

Geralmente nesta procissão os homens saem de uma igreja com a imagem de Nosso Senhor dos Passos, e as mulheres saem de outra igreja com Nossa Senhora das Dores. Acontece então o encontro entre a Mãe e o Filho. Depois se é feito o célebre Sermão do Encontro, ou em alguns lugares o Sermão das Sete Palavras, que na verdade são sete frases: 1- Pai, perdoa-lhes porque não sabem o que fazem. (Lc 23,34 a); 2- Hoje estarás comigo no paraíso. (Lc 23,43); 3- Mulher, eis aí o teu filho, filho, eis aí a tua mãe. (Jo 19,26-27); 4-Meu Deus, Meu Deus, por que me abandonastes? (Mc 15,34); 5-. Tenho sede. (Jo 19,28 b);6- Tudo está consumado. (Jo 19,30 a); 7-Pai, em tuas mãos entrego o meu espírito. (Lc 23,46 b).

Nosso Senhor dos Passos é uma invocação de Jesus Cristo e uma devoção especial na Igreja Católica a Ele dirigida, que faz memória ao trajeto percorrido por Jesus Cristo desde sua condenação à morte no pretório até o seu sepultamento, após ter sido crucificado no Calvário. A história dessa devoção remonta à Idade Média, quando os cruzados visitavam os locais sagrados de Jerusalém por onde andou Jesus a caminho do martírio, e quiseram depois reproduzir espiritualmente este caminho, quando voltaram à Europa, sob forma de dramas sacros e procissões, ciclos de meditação, ou estabelecendo capelas especiais nos templos.

A devoção a Nossa Senhora das Dores possui fundamentos bíblicos, pois é na Palavra de Deus que encontramos as sete dores de Maria: o velho Simeão, que profetiza a lança que transpassaria (de dor) o seu Coração Imaculado; a fuga para o Egito; a perda do Menino Jesus; a Paixão do Senhor; crucifixão, morte e sepultura de Jesus Cristo.

Portanto, na Celebração do Encontro nós somos chamados a refletir este caminho doloroso percorrido por Nosso Senhor Jesus Cristo junto a Nossa Senhora até o calvário, caminho onde Jesus remiu os nossos pecados, e nos mostrou o Maior ato de amor. O Caminho do Calvário onde Jesus se ofertou por amor, já com o Seu coração depositado em nós, para que alcancemos a vida eterna.

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.

Maria encontra com seu Filho Jesus

22/03/2016 00:00 - Atualizado em 24/03/2016 11:50

A celebração do encontro é a representação do encontro de Jesus e Maria Santíssima na Via Crucis. Dentro da Semana Santa, também chamada de “A Grande Semana”, em muitas paróquias realiza-se a “Procissão do Encontro” entre: o Senhor dos Passos e Nossa Senhora das Dores.

Nas Sagradas Escrituras é encontrado o relato da paixão de Cristo, quando muitas pessoas acompanhavam Jesus no caminho do calvário. Certamente sua Mãe Santíssima também O acompanhava neste caminho doloroso. A tradição católica, para relembrar este momento tão emocionante, criou a Procissão do Encontro. A procissão do encontro é uma prática religiosa popular muito antiga. O Documento de Aparecida pede o respeito e o incremento pela piedade popular, tão zelosamente demonstrado pelo Papa Francisco nos seus gestos junto às imagens.

Na Procissão do Encontro o povo de Deus se reúne geralmente em dois grupos, um formado basicamente por homens e outro grupo por mulheres. Cada grupo carrega uma imagem: os homens carregam a imagem do Bom Jesus dos Passos, e as mulheres carregam a imagem de Nossa Senhora das Dores.

Esse gesto e atividade nos fazem refletir sobre o sentido desse encontro. Vemos Maria firme na companhia de Seu Filho Amado. Esta firmeza de Maria a aproxima do Filho sofredor e se encaminha com Ele para a cruz. Maria é, portanto, a discípula fiel que não deixa o Senhor sozinho. Jesus é vítima da violência contida no coração dos homens, é vítima do abandono por parte dos amigos, da rejeição por parte da classe religiosa da época, do escárnio dos romanos que irão executar uma pena arquitetada contra um inocente.

A mãe de Jesus está lá, marcada pela dor e pelo sofrimento, mas permanece em pé, firme e disposta a seguir seu Filho para o extremo da cruz! Acompanhar os sofredores é uma forma de amenizar o sofrimento. Compadecer-se de quem sofre é uma maneira de diminuir a carga. Vislumbrando Maria que acompanha Jesus em sua caminhada, nós vemos reluzir em um destaque no altar da cruz o sacrifício de Deus, que se entrega por amor de nós, e em outra instância vemos acontecer no coração de Maria, que se faz presente no sofrimento do Filho, o que Jesus deseja que aconteça na vida de cada um de nós: a purificação de nossa vida por meio do Sacrifício da cruz. Então, tomando a sério como esta afirmação merece, diremos sem dúvida alguma que Maria é o modelo mais concreto da santificação que Jesus nos concede por meio de sua vida entregue na cruz pelos pecadores. É o poder que emana da cruz que nos possibilita carregar a nossa cruz. Maria nos ensina como se comportar diante da cruz, pois sem cruz não há salvação. A salvação passa pela cruz.

Geralmente nesta procissão os homens saem de uma igreja com a imagem de Nosso Senhor dos Passos, e as mulheres saem de outra igreja com Nossa Senhora das Dores. Acontece então o encontro entre a Mãe e o Filho. Depois se é feito o célebre Sermão do Encontro, ou em alguns lugares o Sermão das Sete Palavras, que na verdade são sete frases: 1- Pai, perdoa-lhes porque não sabem o que fazem. (Lc 23,34 a); 2- Hoje estarás comigo no paraíso. (Lc 23,43); 3- Mulher, eis aí o teu filho, filho, eis aí a tua mãe. (Jo 19,26-27); 4-Meu Deus, Meu Deus, por que me abandonastes? (Mc 15,34); 5-. Tenho sede. (Jo 19,28 b);6- Tudo está consumado. (Jo 19,30 a); 7-Pai, em tuas mãos entrego o meu espírito. (Lc 23,46 b).

Nosso Senhor dos Passos é uma invocação de Jesus Cristo e uma devoção especial na Igreja Católica a Ele dirigida, que faz memória ao trajeto percorrido por Jesus Cristo desde sua condenação à morte no pretório até o seu sepultamento, após ter sido crucificado no Calvário. A história dessa devoção remonta à Idade Média, quando os cruzados visitavam os locais sagrados de Jerusalém por onde andou Jesus a caminho do martírio, e quiseram depois reproduzir espiritualmente este caminho, quando voltaram à Europa, sob forma de dramas sacros e procissões, ciclos de meditação, ou estabelecendo capelas especiais nos templos.

A devoção a Nossa Senhora das Dores possui fundamentos bíblicos, pois é na Palavra de Deus que encontramos as sete dores de Maria: o velho Simeão, que profetiza a lança que transpassaria (de dor) o seu Coração Imaculado; a fuga para o Egito; a perda do Menino Jesus; a Paixão do Senhor; crucifixão, morte e sepultura de Jesus Cristo.

Portanto, na Celebração do Encontro nós somos chamados a refletir este caminho doloroso percorrido por Nosso Senhor Jesus Cristo junto a Nossa Senhora até o calvário, caminho onde Jesus remiu os nossos pecados, e nos mostrou o Maior ato de amor. O Caminho do Calvário onde Jesus se ofertou por amor, já com o Seu coração depositado em nós, para que alcancemos a vida eterna.

Cardeal Orani João Tempesta
Autor

Cardeal Orani João Tempesta

Arcebispo da Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro