Arquidiocese do Rio de Janeiro

33º 22º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 20/10/2017

20 de Outubro de 2017

"O Senhor quer encher o nosso coração de misericórdia"

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

20 de Outubro de 2017

"O Senhor quer encher o nosso coração de misericórdia"

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

23/02/2016 15:13 - Atualizado em 23/02/2016 15:15

"O Senhor quer encher o nosso coração de misericórdia" 0

23/02/2016 15:13 - Atualizado em 23/02/2016 15:15

A misericórdia é grande prerrogativa de Deus. Na segunda Carta aos Coríntios (2 Cor 1,3-4), temos os versículos que foram a inspiração para o Santuário do Pai das Misericórdias: “Bendito Seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai das Misericórdias e Deus de toda consolação. Ele nos consola em todas as nossas aflições, para que, com a consolação que nós mesmos recebemos de Deus, possamos consolar os que  se acham em toda e qualquer aflição”.

Aí está a definição daquele que é o Senhor do Santuário. Ele é o Pai das misericórdias. E Deus de toda consolação. A parte que cabe a nós é justamente consolar os que se encontram em aflição, acolhê-los, escutá-los e ajudá-los a ter o encontro com a misericórdia do Pai.

Então, a misericórdia é a grande virtude de Deus, é sua grande prerrogativa, Ele é a própria misericórdia. E porque nós a recebemos, somos também os anunciadores, portanto, temos que levá-la para os nossos irmãos, os da nossa casa, no trabalho, escola... Há uma multidão de pessoas precisando saber e experimentá-la, para assim, voltarem para os braços do Pai como o filho pródigo.

Quanta gente precisando reconciliar-se com Deus. Você pode até se lembrar de conhecidos seus que necessitam desta reconciliação com Deus e com os outros.

Por exemplo, pode estar chovendo, mas a gente fica sequinho, porque não sai na chuva, ou se sai, está com uma capa plástica, da cabeça aos pés. E claro que a chuva não irá nos atingir, não se molha, porque estamos “plastificados”. Quanta gente plastificada! A graça de Deus está aí para explodir com esse plástico. Mas é preciso que você queira.

Reconcilie-se com Deus. Ele não fez nada de mal pra gente. Infelizmente, pensa-se que Deus fez mal, que retirou aquele ente querido quando se esperava um milagre, e se acaba culpando Deus. Ou você está com alguém muito querido doente, numa cama e decepcionou-se. Talvez você não tenha declarado que está revoltado com Deus, mas as coisas não vão bem. Deus continua sendo amor e misericórdia, mas o seu coração não está bem com Deus.

O Senhor quer nos fazer misericordiosos como Ele é. Precisamos estar cheios de misericórdia porque há muita gente próxima que precisa dessa misericórdia. Jesus, cheio de misericórdia, amor e perdão, fazei meu coração semelhante ao vosso!

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.

"O Senhor quer encher o nosso coração de misericórdia"

23/02/2016 15:13 - Atualizado em 23/02/2016 15:15

A misericórdia é grande prerrogativa de Deus. Na segunda Carta aos Coríntios (2 Cor 1,3-4), temos os versículos que foram a inspiração para o Santuário do Pai das Misericórdias: “Bendito Seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai das Misericórdias e Deus de toda consolação. Ele nos consola em todas as nossas aflições, para que, com a consolação que nós mesmos recebemos de Deus, possamos consolar os que  se acham em toda e qualquer aflição”.

Aí está a definição daquele que é o Senhor do Santuário. Ele é o Pai das misericórdias. E Deus de toda consolação. A parte que cabe a nós é justamente consolar os que se encontram em aflição, acolhê-los, escutá-los e ajudá-los a ter o encontro com a misericórdia do Pai.

Então, a misericórdia é a grande virtude de Deus, é sua grande prerrogativa, Ele é a própria misericórdia. E porque nós a recebemos, somos também os anunciadores, portanto, temos que levá-la para os nossos irmãos, os da nossa casa, no trabalho, escola... Há uma multidão de pessoas precisando saber e experimentá-la, para assim, voltarem para os braços do Pai como o filho pródigo.

Quanta gente precisando reconciliar-se com Deus. Você pode até se lembrar de conhecidos seus que necessitam desta reconciliação com Deus e com os outros.

Por exemplo, pode estar chovendo, mas a gente fica sequinho, porque não sai na chuva, ou se sai, está com uma capa plástica, da cabeça aos pés. E claro que a chuva não irá nos atingir, não se molha, porque estamos “plastificados”. Quanta gente plastificada! A graça de Deus está aí para explodir com esse plástico. Mas é preciso que você queira.

Reconcilie-se com Deus. Ele não fez nada de mal pra gente. Infelizmente, pensa-se que Deus fez mal, que retirou aquele ente querido quando se esperava um milagre, e se acaba culpando Deus. Ou você está com alguém muito querido doente, numa cama e decepcionou-se. Talvez você não tenha declarado que está revoltado com Deus, mas as coisas não vão bem. Deus continua sendo amor e misericórdia, mas o seu coração não está bem com Deus.

O Senhor quer nos fazer misericordiosos como Ele é. Precisamos estar cheios de misericórdia porque há muita gente próxima que precisa dessa misericórdia. Jesus, cheio de misericórdia, amor e perdão, fazei meu coração semelhante ao vosso!

Monsenhor Jonas Abib
Autor

Monsenhor Jonas Abib

Fundador da Comunidade Canção Nova e presidente da Fundação João Paulo II