Arquidiocese do Rio de Janeiro

26º 19º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 18/08/2018

18 de Agosto de 2018

Quaresma, um tempo de conversão!

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

18 de Agosto de 2018

Quaresma, um tempo de conversão!

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

19/02/2016 14:13 - Atualizado em 19/02/2016 14:16

Quaresma, um tempo de conversão! 0

19/02/2016 14:13 - Atualizado em 19/02/2016 14:16

“Ao olhos da fé, nenhum mal é mais grave que o pecado, e nada tem consequências piores para os próprios pecadores, para a Igreja e para o mundo inteiro”, diz o Catecismo (n. 1489). 

A Quaresma é um tempo em que Deus nos convida à conversão profunda. Como viver a Quaresma? Sobretudo é preciso meditar sobre isso: o pecado nos afasta de Deus e levou Jesus a vir à Terra para nos salvar, morrendo numa Cruz; devemos arrancar o pecado da nossa alma; um dia nos encontraremos com Deus. 

O mais importante é tomar consciência do pecado e o desejo de tirá-lo da nossa alma. É nesse sentido que a Quaresma é um período de penitência. Que penitência ou sacrifício podemos fazer? Há muitas coisas que o povo faz: não tomar refrigerante, não comer chocolate ou doces, acessar menos o Facebook, o WhatsApp, o Instagram... Não comer fora de hora, cortar os churrascos e festas, bailes etc. 

A escolha da mortificação vai de cada um. Além do jejum, que pode ser de muitas maneiras, a Igreja ensina o grande valor da oração e da esmola, “remédios contra o pecado.” Intensificar a oração: pensar mais em Deus, participar mais da Missa, da Eucaristia, Confessar-se, fazer o exercício da Via Sacra, da adoração ao Santíssimo, rezar o santo Terço, fazer meditação da Palavra de Deus. Rezar ao menos três vezes por dia: de manhã, ao acordar, ao meio dia, e à noite, antes de deitar. 

A nossa esmola não deve ser apenas a ajuda ao pobre, mas também a todos os carentes de muitas formas: a esmola do sorriso, da ajuda, do serviço desinteressado ao outro, a esmola da paciência, do afeto, do carinho, da boa orientação, da atenção ao que precisa de nós. 

São João Paulo II disse que “o fruto da Quaresma é Jesus Cristo”. É se aproximar dele. Santo Agostinho indica: “Um homem sem Deus é um peregrino sem meta, um questionado sem resposta, um lutador sem vitória, um moribundo sem nova vida”. “Quem ama a Deus nunca envelhece. Leva em si Aquele que é mais jovem que todos os outros”. 

“Eu não seria nada, meu Deus, absolutamente nada, se não estivesses em mim”. “O maior castigo do homem é não amar Deus”. “Declaraste guerra a Deus? Tem cuidado. Quantas mais e maiores pedras lances ao céu, mais e maiores serão as feridas que te causarão ao cair.” São Tomás de Aquino disse que “quanto mais o homem se afasta de Deus, mais se aproxima do nada.”

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.

Quaresma, um tempo de conversão!

19/02/2016 14:13 - Atualizado em 19/02/2016 14:16

“Ao olhos da fé, nenhum mal é mais grave que o pecado, e nada tem consequências piores para os próprios pecadores, para a Igreja e para o mundo inteiro”, diz o Catecismo (n. 1489). 

A Quaresma é um tempo em que Deus nos convida à conversão profunda. Como viver a Quaresma? Sobretudo é preciso meditar sobre isso: o pecado nos afasta de Deus e levou Jesus a vir à Terra para nos salvar, morrendo numa Cruz; devemos arrancar o pecado da nossa alma; um dia nos encontraremos com Deus. 

O mais importante é tomar consciência do pecado e o desejo de tirá-lo da nossa alma. É nesse sentido que a Quaresma é um período de penitência. Que penitência ou sacrifício podemos fazer? Há muitas coisas que o povo faz: não tomar refrigerante, não comer chocolate ou doces, acessar menos o Facebook, o WhatsApp, o Instagram... Não comer fora de hora, cortar os churrascos e festas, bailes etc. 

A escolha da mortificação vai de cada um. Além do jejum, que pode ser de muitas maneiras, a Igreja ensina o grande valor da oração e da esmola, “remédios contra o pecado.” Intensificar a oração: pensar mais em Deus, participar mais da Missa, da Eucaristia, Confessar-se, fazer o exercício da Via Sacra, da adoração ao Santíssimo, rezar o santo Terço, fazer meditação da Palavra de Deus. Rezar ao menos três vezes por dia: de manhã, ao acordar, ao meio dia, e à noite, antes de deitar. 

A nossa esmola não deve ser apenas a ajuda ao pobre, mas também a todos os carentes de muitas formas: a esmola do sorriso, da ajuda, do serviço desinteressado ao outro, a esmola da paciência, do afeto, do carinho, da boa orientação, da atenção ao que precisa de nós. 

São João Paulo II disse que “o fruto da Quaresma é Jesus Cristo”. É se aproximar dele. Santo Agostinho indica: “Um homem sem Deus é um peregrino sem meta, um questionado sem resposta, um lutador sem vitória, um moribundo sem nova vida”. “Quem ama a Deus nunca envelhece. Leva em si Aquele que é mais jovem que todos os outros”. 

“Eu não seria nada, meu Deus, absolutamente nada, se não estivesses em mim”. “O maior castigo do homem é não amar Deus”. “Declaraste guerra a Deus? Tem cuidado. Quantas mais e maiores pedras lances ao céu, mais e maiores serão as feridas que te causarão ao cair.” São Tomás de Aquino disse que “quanto mais o homem se afasta de Deus, mais se aproxima do nada.”

Felipe Aquino
Autor

Felipe Aquino

Professor e Escritor