Arquidiocese do Rio de Janeiro

26º 19º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 25/06/2017

25 de Junho de 2017

A Virgem Maria no Advento

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

25 de Junho de 2017

A Virgem Maria no Advento

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

18/12/2015 17:08 - Atualizado em 18/12/2015 17:08

A Virgem Maria no Advento 0

18/12/2015 17:08 - Atualizado em 18/12/2015 17:08

Com as celebrações do tempo do Advento, a Igreja faz memória dos eventos da primeira vinda do Senhor, a fim de se preparar dignamente para o seu retorno “em poder e glória”. Dentre os principais mistérios que antecederam o nascimento do Filho de Deus, encontramos a vocação de Maria. Na verdade, ela, grávida, é uma imagem da comunidade eclesial que espera com amor a manifestação gloriosa de Jesus. Esta analogia entre a Virgem e a Igreja foi ressaltada pelo beato Papa Paulo VI: “Desta maneira, os fiéis que procuram viver com a Liturgia o espírito do Advento, ao considerarem o amor inefável com que a Virgem Mãe esperou o Filho, serão levados a tomá-la como modelo e a prepararem-se, também eles para irem ao encontro do Salvador que vem, bem vigilantes na oração e celebrando os seus divinos louvores”. Nas quatro semanas do Tempo do Advento, a assembleia litúrgica lembra a participação da Virgem Maria nos mistérios da Encarnação do Verbo e do Nascimento de Jesus (Marialis Cultus 3 e 4).

No dia 8 de dezembro, a Solenidade da Imaculada Conceição de Maria, dentro do contexto do Tempo do Advento, nos faz contemplar a ação divina que preservou Maria da mancha do pecado original e enriqueceu-a com a sua graça, a fim de que estivesse preparada para ser a mãe do Salvador. Como ela foi preparada para ser mãe do Senhor, a Igreja é continuamente santificada para se apresentar “sem mancha e sem ruga, esposa de Cristo, resplandecente de beleza” a Deus Pai. Desta forma, existe uma relação entre a preparação de Maria para acolher a primeira vinda do Senhor e a da Igreja para recebê-Lo no dia da sua Parusia.

Durante os dias feriais que antecedem a celebração do Natal – do dia 17 ao 24 –, a Liturgia da Palavra da eucaristia apresenta as narrativas dos acontecimentos em torno ao nascimento de Jesus: no dia 17, Mt 1,1-17 (a genealogia de Jesus), no dia 18, Mt 1,18-24 (o sonho de José), no dia 19, Lc 1,5-25 (o anuncio do nascimento de João Batista), no dia 20, Lc 1,26-38 (o anuncio do nascimento de Jesus), no dia 21, Lc 1,39-45 (a visitação de Maria a sua prima Isabel), no dia 22, Lc 1,46-56 (o cântico do magnificat), no dia 23, Lc 1,47-66 (o nascimento de João Batista) e no dia 24, Lc 1,67-79 (o cântico do benedictus). No conjunto de todos esses relatos evangélicos, a vocação de Maria, como a mãe de Jesus, se destaca no conjunto rico de personagens envolvidos diretamente com o nascimento do Senhor: José, Zacarias, Isabel e João Batista. A Igreja se espelha na atitude existencial de Maria orante, disponível e servidora, para completar a sua preparação para a celebração do Natal.

No quarto domingo do Advento, a Liturgia da Palavra da Santa Missa apresenta um relato evangélico com referência à participação de Maria no mistério do nascimento de Jesus: no ano A, Mt 1,18-24 (o sonho de José); no ano B, Lc 1,26-38 (o anúncio do nascimento de Jesus) e no ano C, Lc 1,39-45 (a visitação de Maria a sua prima Isabel). Com esses episódios, a comunidade eclesial percebe toda a disposição do projeto divino que, adequadamente, preparou a primeira vinda do Salvador feito homem. A particular presença de Maria na aurora da entrada da salvação no mundo recebe não só admiração por parte dos fiéis, mas se torna estímulo para se deixar guiar pela sabedoria divina.

De fato, Maria “é o tipo e a figura da Igreja, na ordem da fé, da caridade e da perfeita união com Cristo” (“Lumen Gentium” 63). A espiritualidade do Tempo do Advento é marcada pelo vulto da Virgem – mulher amada, escolhida e preparada para a missão. O seu grande fiat – “Sim! Faça-se!” – possibilitou a Encarnação e o Nascimento do Verbo divino. Tal resposta da Virgem ao projeto amoroso e salvífico de Deus se tornou um paradigma para a caminhada da Igreja. A celebração do Advento pretende retirar do coração dos fiéis um “Sim! Faça-se!” semelhante ao de Maria. A fé da comunidade eclesial deve ser vivida no compromisso com o plano de Deus para os homens e o cosmos, aguardando o dia feliz da vinda definitiva de Jesus Cristo.

 

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.

A Virgem Maria no Advento

18/12/2015 17:08 - Atualizado em 18/12/2015 17:08

Com as celebrações do tempo do Advento, a Igreja faz memória dos eventos da primeira vinda do Senhor, a fim de se preparar dignamente para o seu retorno “em poder e glória”. Dentre os principais mistérios que antecederam o nascimento do Filho de Deus, encontramos a vocação de Maria. Na verdade, ela, grávida, é uma imagem da comunidade eclesial que espera com amor a manifestação gloriosa de Jesus. Esta analogia entre a Virgem e a Igreja foi ressaltada pelo beato Papa Paulo VI: “Desta maneira, os fiéis que procuram viver com a Liturgia o espírito do Advento, ao considerarem o amor inefável com que a Virgem Mãe esperou o Filho, serão levados a tomá-la como modelo e a prepararem-se, também eles para irem ao encontro do Salvador que vem, bem vigilantes na oração e celebrando os seus divinos louvores”. Nas quatro semanas do Tempo do Advento, a assembleia litúrgica lembra a participação da Virgem Maria nos mistérios da Encarnação do Verbo e do Nascimento de Jesus (Marialis Cultus 3 e 4).

No dia 8 de dezembro, a Solenidade da Imaculada Conceição de Maria, dentro do contexto do Tempo do Advento, nos faz contemplar a ação divina que preservou Maria da mancha do pecado original e enriqueceu-a com a sua graça, a fim de que estivesse preparada para ser a mãe do Salvador. Como ela foi preparada para ser mãe do Senhor, a Igreja é continuamente santificada para se apresentar “sem mancha e sem ruga, esposa de Cristo, resplandecente de beleza” a Deus Pai. Desta forma, existe uma relação entre a preparação de Maria para acolher a primeira vinda do Senhor e a da Igreja para recebê-Lo no dia da sua Parusia.

Durante os dias feriais que antecedem a celebração do Natal – do dia 17 ao 24 –, a Liturgia da Palavra da eucaristia apresenta as narrativas dos acontecimentos em torno ao nascimento de Jesus: no dia 17, Mt 1,1-17 (a genealogia de Jesus), no dia 18, Mt 1,18-24 (o sonho de José), no dia 19, Lc 1,5-25 (o anuncio do nascimento de João Batista), no dia 20, Lc 1,26-38 (o anuncio do nascimento de Jesus), no dia 21, Lc 1,39-45 (a visitação de Maria a sua prima Isabel), no dia 22, Lc 1,46-56 (o cântico do magnificat), no dia 23, Lc 1,47-66 (o nascimento de João Batista) e no dia 24, Lc 1,67-79 (o cântico do benedictus). No conjunto de todos esses relatos evangélicos, a vocação de Maria, como a mãe de Jesus, se destaca no conjunto rico de personagens envolvidos diretamente com o nascimento do Senhor: José, Zacarias, Isabel e João Batista. A Igreja se espelha na atitude existencial de Maria orante, disponível e servidora, para completar a sua preparação para a celebração do Natal.

No quarto domingo do Advento, a Liturgia da Palavra da Santa Missa apresenta um relato evangélico com referência à participação de Maria no mistério do nascimento de Jesus: no ano A, Mt 1,18-24 (o sonho de José); no ano B, Lc 1,26-38 (o anúncio do nascimento de Jesus) e no ano C, Lc 1,39-45 (a visitação de Maria a sua prima Isabel). Com esses episódios, a comunidade eclesial percebe toda a disposição do projeto divino que, adequadamente, preparou a primeira vinda do Salvador feito homem. A particular presença de Maria na aurora da entrada da salvação no mundo recebe não só admiração por parte dos fiéis, mas se torna estímulo para se deixar guiar pela sabedoria divina.

De fato, Maria “é o tipo e a figura da Igreja, na ordem da fé, da caridade e da perfeita união com Cristo” (“Lumen Gentium” 63). A espiritualidade do Tempo do Advento é marcada pelo vulto da Virgem – mulher amada, escolhida e preparada para a missão. O seu grande fiat – “Sim! Faça-se!” – possibilitou a Encarnação e o Nascimento do Verbo divino. Tal resposta da Virgem ao projeto amoroso e salvífico de Deus se tornou um paradigma para a caminhada da Igreja. A celebração do Advento pretende retirar do coração dos fiéis um “Sim! Faça-se!” semelhante ao de Maria. A fé da comunidade eclesial deve ser vivida no compromisso com o plano de Deus para os homens e o cosmos, aguardando o dia feliz da vinda definitiva de Jesus Cristo.

 

Padre Vitor Gino Finelon
Autor

Padre Vitor Gino Finelon

Professor das Escolas de Fé e Catequese Mater Ecclesiae e Luz e Vida