Arquidiocese do Rio de Janeiro

25º 18º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 23/10/2018

23 de Outubro de 2018

Rio de Francisco

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

23 de Outubro de 2018

Rio de Francisco

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

02/01/2015 11:36 - Atualizado em 02/01/2015 11:36

Rio de Francisco 0

Rio de Francisco  / Arqrio

O livro “Rio de Francisco – A História da Jornada Mundial da Juventude contada em números e imagens” foi lançado dia 19 de dezembro, no Edifício João Paulo II, na Glória, pela Associação Comercial do Rio de Janeiro (ACRJ) em parceria com a Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro e a Riotur, com o apoio do grupo MPE Engenharia.

A publicação, por ocasião do aniversário do Papa Francisco, que esse mês fez 78 anos, é um registro fotográfico com legendas que dão a dimensão da Jornada Mundial da Juventude Rio2013. Ressalta a importância do evento que trouxe o Papa Francisco ao Rio de Janeiro, em sua primeira viagem internacional após a eleição, e destaca a relevância da Jornada para a cidade sobre os pontos de vista da cidadania, infraestrutura, segurança, fraternidade e acolhida.

A obra foi editada pela gerente de Comunicação, Marketing e Projetos da ACRJ, a jornalista Valéria Aguiar, com textos da jornalista Ana Cristina Fiedler, projeto gráfico do designer Nelson Rodrigues e capa de Leonardo Lisboa. As fotos são do Comitê Organizador da JMJ e da Riotur. Possui 141 páginas e 127 fotos com pequenas legendas que destacam os números do evento.

Segundo o presidente da ACRJ, Antenor Barros Leal, a vinda do Papa Francisco ao Rio de Janeiro foi um movimento que ultrapassou todas as expectativas e que merece ser eternizado. 

“O Rio de Janeiro recebeu milhares de pessoas de braços abertos. A felicidade de todos estava traduzida em sorrisos, em emoção e em fé. Desde a chegada do Santo Padre até sua partida, a cidade ficou coberta por um manto de paz, de entendimento e de compreensão, que só a fé explica. E o Rio de Janeiro só tem a agradecer”, concluiu.

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.
Rio de Francisco  / Arqrio

Rio de Francisco

02/01/2015 11:36 - Atualizado em 02/01/2015 11:36

O livro “Rio de Francisco – A História da Jornada Mundial da Juventude contada em números e imagens” foi lançado dia 19 de dezembro, no Edifício João Paulo II, na Glória, pela Associação Comercial do Rio de Janeiro (ACRJ) em parceria com a Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro e a Riotur, com o apoio do grupo MPE Engenharia.

A publicação, por ocasião do aniversário do Papa Francisco, que esse mês fez 78 anos, é um registro fotográfico com legendas que dão a dimensão da Jornada Mundial da Juventude Rio2013. Ressalta a importância do evento que trouxe o Papa Francisco ao Rio de Janeiro, em sua primeira viagem internacional após a eleição, e destaca a relevância da Jornada para a cidade sobre os pontos de vista da cidadania, infraestrutura, segurança, fraternidade e acolhida.

A obra foi editada pela gerente de Comunicação, Marketing e Projetos da ACRJ, a jornalista Valéria Aguiar, com textos da jornalista Ana Cristina Fiedler, projeto gráfico do designer Nelson Rodrigues e capa de Leonardo Lisboa. As fotos são do Comitê Organizador da JMJ e da Riotur. Possui 141 páginas e 127 fotos com pequenas legendas que destacam os números do evento.

Segundo o presidente da ACRJ, Antenor Barros Leal, a vinda do Papa Francisco ao Rio de Janeiro foi um movimento que ultrapassou todas as expectativas e que merece ser eternizado. 

“O Rio de Janeiro recebeu milhares de pessoas de braços abertos. A felicidade de todos estava traduzida em sorrisos, em emoção e em fé. Desde a chegada do Santo Padre até sua partida, a cidade ficou coberta por um manto de paz, de entendimento e de compreensão, que só a fé explica. E o Rio de Janeiro só tem a agradecer”, concluiu.