Arquidiocese do Rio de Janeiro

37º 19º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 14/10/2019

14 de Outubro de 2019

Paróquia São Roque celebra 75 anos de evangelização

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

14 de Outubro de 2019

Paróquia São Roque celebra 75 anos de evangelização

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

22/08/2019 10:09

Paróquia São Roque celebra 75 anos de evangelização 0

16 agosto 2019
Os fiéis da comunidade de São Roque, em Vila Valqueire, celebraram com júbilo os 75 anos de fundação da paróquia, criada no dia 16 de agosto de 1944 pelo Cardeal Jaime de Barros Câmara, e confiada aos Padres Palotinos, primeiro os de origem italiana e, a partir de 1974, pelos poloneses.
“Jubileu é o tempo de graça. Agradecendo as pessoas e trabalhos do passado, olhamos esperançosos para o futuro, prontos para cumprir nossa missão evangelizadora. Que o bom Deus, por intercessão de São Roque, São Vicente Pallotti e da Beata Elisabetta Sanna, abençoe todos os paroquianos e devotos”, disse o pároco, padre Marcos Karny.

Preparação
Segundo o pároco, que está à frente da comunidade há quatro anos, desde o dia 2 de fevereiro de 2015, o jubileu começou em agosto de 2018, com reformas e uma programação espiritual.

“Nosso jubileu começou há um ano, com celebrações mensais, tendo como objetivo o crescimento da unidade paroquial. Para melhorar o ambiente celebrativo, fizemos muitos melhoramentos no prédio da paróquia, como a reforma do presbitério e a instalação de um novo altar. Foi colocado um nicho para a imagem de Nossa Senhora Aparecida. Também rebaixamos com gesso o teto da igreja, trocamos as instalações elétricas e a iluminação, pintura interna e externa da igreja e dos prédios pastorais”, disse padre Marcos.

Festividades
O pároco destacou que o jubileu paroquial foi concluído com novena, missa solene e procissão do padroeiro, cujo tema foi vinculado com a Semana da Família, e teve a presença de bispos e sacerdotes convidados.

“Durante a novena do nosso padroeiro que marcou nosso jubileu paroquial, tivemos uma carreata, a ordenação diaconal de José Luiz Alves da Silva Júnior, religioso palotino, feita pelo bispo auxiliar Dom Juarez Delorto Secco, e a consagração da igreja e a dedicação do altar, com a relíquia da Beata Elisabetta Sanna, feita pelo nosso arcebispo, Cardeal Orani João Tempesta”, disse.

O jubileu contou com ainda com a presença dos bispos auxiliares Dom Paulo Alves Romão, Dom Antonio Augusto Dias Duarte e Dom Paulo Celso do Nascimento, do superior regional dos palotinos, padre Estevão Lewandowski, e de um filho da paróquia, o padre Sérgio Cavalcanti Muniz.

Caminhada pastoral
De origem polonesa, padre Marcos exerce o ministério no Brasil há 26 anos, já trabalhou na Paróquia Nossa Senhora de Fátima, em Pendotiba, por duas vezes, na vizinha Arquidiocese de Niterói; e na Arquidiocese do Rio, trabalhou na Paróquia Santa Isabel, Rainha de Portugal, em Bento Ribeiro, e formador no seminário de sua congregação, a Sociedade do Apostolado Católico, fundada por São Vicente Pallotti. Quando tomou posse na Paróquia São Roque, em 2015, procurou dinamizar a pastoral com muitas ações de evangelização.

“Quando assumi a paróquia, procurei conhecer a realidade da comunidade e sustentar a riqueza das nossas pastorais e movimentos. Uma das pastorais que dei prioridade desde o início foi a Introdução à Iniciação Cristã, para que pudesse abranger todas as famílias, e hoje temos bons resultados. Existe ainda um bom trabalho no resgate de casais para a Igreja por meio do grupo Aliança de Casais com Cristo, e movimentos com muitos anos de atuação, como a Congregação Mariana e o Apostolado da Oração, que antecede a fundação da paróquia, com mais de 80 anos de atividades”, contou.

A paróquia conta com um bom trabalho na área social, com a presença da Pastoral da Criança, dos vicentinos e de uma casa da Comunidade Católica Maranathá.

“Através do jubileu pude perceber a unidade e a atuação social da comunidade. Os membros da Pastoral da Criança visitam as famílias mais pobres e ajudam na orientação dos pais com relação aos seus filhos. É o que faz também os vicentinos, além de distribuir alimentos para quem precisa. Também contamos na área paroquial com a presença da Comunidade Maranathá, que trabalha na recuperação de dependentes químicos. Procuro apoiar e ajudar em tudo o que é realizado, e fico feliz pelo crescimento espiritual de toda a comunidade”, destacou padre Marcos.

Histórico da Paróquia São Roque
A história da capela, que se tornou Paróquia São Roque, surgiu em 1925, quando foi construída pelos fiéis num terreno doado por Miguel Paschoal, um devoto de origem italiana, que também ofertou para a comunidade uma imagem do santo padroeiro.

De construção e acabamento simples, a capelinha tinha uma área construída de 88 metros quadrados, semelhante a um grande corredor. Era forrada com tábuas de pinho, o chão era de cimento e possuía dois degraus em frente ao altar que era de madeira em estilo colonial.

Na época, o Apostolado da Oração era a única associação existente na paróquia. Em dezembro do mesmo ano, foi criada a Congregação Mariana e a Pia União das Filhas de Maria; no dia 31 de março de 1945, foi fundada a Cruzada Eucarística, data que aconteceu a primeira celebração da Coroação de Nossa Senhora.

Segundo o Livro do Tombo, conforme verificou o diácono Luiz Cezar Bahia, que exerce o ministério na comunidade, a Paróquia São Roque foi criada por Dom Jaime no dia 16 de agosto de 1944; no dia seguinte, foi lavrada a provisão do primeiro pároco; em 19 de agosto, houve a missa de instalação, sendo desmembrada dos territórios das paróquias São Luiz Gonzaga, em Madureira, e Santa Isabel, Rainha de Portugal, em Bento Ribeiro.

Segundo dados da Cúria Metropolitana, o primeiro pároco, com provisão de 17 de agosto de 1944, foi o padre Augusto Ferreira de Andrade; no dia 4 de janeiro de 1947, o padre Antônio Monteiro de Barros foi provisionado como encarregado; e no mesmo ano, assumiu o padre Erico Rath; Em 1948, assumiu o padre Pio Benedito Ottoni como vigário substituto, que deu início à escola de alfabetização e às fundações para a construção do salão paroquial.

Em agosto de 1952, houve a primeira festa grandiosa do padroeiro com Alvorada, carreata e quermesse.
No dia 5 de julho de 1956, a paróquia começou a ser administrada pelo padre Valério Pierpaoli, seguido pelo padre Girolamo d’Ambrosi e Penna, com provisão de 10 de agosto de 1960; e padre Carlo Obei, com provisão de 1º de agosto de 1969.

Em 1964, iniciou-se a construção da casa e do salão paroquial; no ano seguinte, foi adquirido o terreno ao lado da igreja; em 1966, foi inaugurada a casa paroquial e o salão São Roque.

Depois de 30 anos sendo administrada pelos padres palotinos italianos, a paróquia passou aos cuidados dos padres palotinos poloneses, vinculados a Província Nossa Senhora Mãe da Misericórdia. O primeiro pároco foi o padre Tadeu Korbecki, com provisão de 17 de junho de 1974; seguido pelos padres Stefan Kajfasz; Casemiro Pac; Tadeu Domanski; Jorge Chmielecki; João Baraniechi; Tadeu Domanski, pela segunda vez; e atualmente padre Marcos.

No dia 9 de maio de 1983, a então capela da Divina Misericórdia, em Vila Valqueire, vinculada a Paróquia São Roque, tornou-se paróquia, e confiada aos padres palotinos e, no dia 17 de setembro de 2009, o arcebispo Dom Orani elevou a paróquia a condição de santuário arquidiocesano. A capela e a devoção a Divina Misericórdia deve-se a iniciativa do padre Tadeu Korbecki.

Em 1991, foi comprado o terreno em frente que hoje funciona como estacionamento; em 1993, foi realizada uma reforma nas instalações da paróquia com substituição da fachada, demolição das salas do pátio e o espaço transformado em jardim; foi construído o salão “São Vicente Palloti”; o muro foi substituído por grades e comprados bancos novos.

No dia 4 de novembro de 1995, a paróquia se rejubilou com a ordenação diaconal do paroquiano Luiz Cezar Bahia, que exerceu o ministério na Paróquia Nossa Senhora do Amparo e Santa Maria Goretti, em Cascadura; foi secretário do arcebispo Cardeal Eusébio Oscar Scheid; administrou a Paróquia Maria Mãe da Igreja, em Padre Miguel; e há oito anos está provisionado na Paróquia São Roque; e atua como vice-chanceler da Cúria Metropolitana e juiz auditor do Tribunal Eclesiástico Arquidiocesano.

Em 2003, a paróquia ganhou melhoramentos com as reformas do painel do altar e da torre, e a colocação do sino.
Reportagem: Symone Matias
Texto: Carlos Moioli
Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.

Paróquia São Roque celebra 75 anos de evangelização

22/08/2019 10:09

Os fiéis da comunidade de São Roque, em Vila Valqueire, celebraram com júbilo os 75 anos de fundação da paróquia, criada no dia 16 de agosto de 1944 pelo Cardeal Jaime de Barros Câmara, e confiada aos Padres Palotinos, primeiro os de origem italiana e, a partir de 1974, pelos poloneses.
“Jubileu é o tempo de graça. Agradecendo as pessoas e trabalhos do passado, olhamos esperançosos para o futuro, prontos para cumprir nossa missão evangelizadora. Que o bom Deus, por intercessão de São Roque, São Vicente Pallotti e da Beata Elisabetta Sanna, abençoe todos os paroquianos e devotos”, disse o pároco, padre Marcos Karny.

Preparação
Segundo o pároco, que está à frente da comunidade há quatro anos, desde o dia 2 de fevereiro de 2015, o jubileu começou em agosto de 2018, com reformas e uma programação espiritual.

“Nosso jubileu começou há um ano, com celebrações mensais, tendo como objetivo o crescimento da unidade paroquial. Para melhorar o ambiente celebrativo, fizemos muitos melhoramentos no prédio da paróquia, como a reforma do presbitério e a instalação de um novo altar. Foi colocado um nicho para a imagem de Nossa Senhora Aparecida. Também rebaixamos com gesso o teto da igreja, trocamos as instalações elétricas e a iluminação, pintura interna e externa da igreja e dos prédios pastorais”, disse padre Marcos.

Festividades
O pároco destacou que o jubileu paroquial foi concluído com novena, missa solene e procissão do padroeiro, cujo tema foi vinculado com a Semana da Família, e teve a presença de bispos e sacerdotes convidados.

“Durante a novena do nosso padroeiro que marcou nosso jubileu paroquial, tivemos uma carreata, a ordenação diaconal de José Luiz Alves da Silva Júnior, religioso palotino, feita pelo bispo auxiliar Dom Juarez Delorto Secco, e a consagração da igreja e a dedicação do altar, com a relíquia da Beata Elisabetta Sanna, feita pelo nosso arcebispo, Cardeal Orani João Tempesta”, disse.

O jubileu contou com ainda com a presença dos bispos auxiliares Dom Paulo Alves Romão, Dom Antonio Augusto Dias Duarte e Dom Paulo Celso do Nascimento, do superior regional dos palotinos, padre Estevão Lewandowski, e de um filho da paróquia, o padre Sérgio Cavalcanti Muniz.

Caminhada pastoral
De origem polonesa, padre Marcos exerce o ministério no Brasil há 26 anos, já trabalhou na Paróquia Nossa Senhora de Fátima, em Pendotiba, por duas vezes, na vizinha Arquidiocese de Niterói; e na Arquidiocese do Rio, trabalhou na Paróquia Santa Isabel, Rainha de Portugal, em Bento Ribeiro, e formador no seminário de sua congregação, a Sociedade do Apostolado Católico, fundada por São Vicente Pallotti. Quando tomou posse na Paróquia São Roque, em 2015, procurou dinamizar a pastoral com muitas ações de evangelização.

“Quando assumi a paróquia, procurei conhecer a realidade da comunidade e sustentar a riqueza das nossas pastorais e movimentos. Uma das pastorais que dei prioridade desde o início foi a Introdução à Iniciação Cristã, para que pudesse abranger todas as famílias, e hoje temos bons resultados. Existe ainda um bom trabalho no resgate de casais para a Igreja por meio do grupo Aliança de Casais com Cristo, e movimentos com muitos anos de atuação, como a Congregação Mariana e o Apostolado da Oração, que antecede a fundação da paróquia, com mais de 80 anos de atividades”, contou.

A paróquia conta com um bom trabalho na área social, com a presença da Pastoral da Criança, dos vicentinos e de uma casa da Comunidade Católica Maranathá.

“Através do jubileu pude perceber a unidade e a atuação social da comunidade. Os membros da Pastoral da Criança visitam as famílias mais pobres e ajudam na orientação dos pais com relação aos seus filhos. É o que faz também os vicentinos, além de distribuir alimentos para quem precisa. Também contamos na área paroquial com a presença da Comunidade Maranathá, que trabalha na recuperação de dependentes químicos. Procuro apoiar e ajudar em tudo o que é realizado, e fico feliz pelo crescimento espiritual de toda a comunidade”, destacou padre Marcos.

Histórico da Paróquia São Roque
A história da capela, que se tornou Paróquia São Roque, surgiu em 1925, quando foi construída pelos fiéis num terreno doado por Miguel Paschoal, um devoto de origem italiana, que também ofertou para a comunidade uma imagem do santo padroeiro.

De construção e acabamento simples, a capelinha tinha uma área construída de 88 metros quadrados, semelhante a um grande corredor. Era forrada com tábuas de pinho, o chão era de cimento e possuía dois degraus em frente ao altar que era de madeira em estilo colonial.

Na época, o Apostolado da Oração era a única associação existente na paróquia. Em dezembro do mesmo ano, foi criada a Congregação Mariana e a Pia União das Filhas de Maria; no dia 31 de março de 1945, foi fundada a Cruzada Eucarística, data que aconteceu a primeira celebração da Coroação de Nossa Senhora.

Segundo o Livro do Tombo, conforme verificou o diácono Luiz Cezar Bahia, que exerce o ministério na comunidade, a Paróquia São Roque foi criada por Dom Jaime no dia 16 de agosto de 1944; no dia seguinte, foi lavrada a provisão do primeiro pároco; em 19 de agosto, houve a missa de instalação, sendo desmembrada dos territórios das paróquias São Luiz Gonzaga, em Madureira, e Santa Isabel, Rainha de Portugal, em Bento Ribeiro.

Segundo dados da Cúria Metropolitana, o primeiro pároco, com provisão de 17 de agosto de 1944, foi o padre Augusto Ferreira de Andrade; no dia 4 de janeiro de 1947, o padre Antônio Monteiro de Barros foi provisionado como encarregado; e no mesmo ano, assumiu o padre Erico Rath; Em 1948, assumiu o padre Pio Benedito Ottoni como vigário substituto, que deu início à escola de alfabetização e às fundações para a construção do salão paroquial.

Em agosto de 1952, houve a primeira festa grandiosa do padroeiro com Alvorada, carreata e quermesse.
No dia 5 de julho de 1956, a paróquia começou a ser administrada pelo padre Valério Pierpaoli, seguido pelo padre Girolamo d’Ambrosi e Penna, com provisão de 10 de agosto de 1960; e padre Carlo Obei, com provisão de 1º de agosto de 1969.

Em 1964, iniciou-se a construção da casa e do salão paroquial; no ano seguinte, foi adquirido o terreno ao lado da igreja; em 1966, foi inaugurada a casa paroquial e o salão São Roque.

Depois de 30 anos sendo administrada pelos padres palotinos italianos, a paróquia passou aos cuidados dos padres palotinos poloneses, vinculados a Província Nossa Senhora Mãe da Misericórdia. O primeiro pároco foi o padre Tadeu Korbecki, com provisão de 17 de junho de 1974; seguido pelos padres Stefan Kajfasz; Casemiro Pac; Tadeu Domanski; Jorge Chmielecki; João Baraniechi; Tadeu Domanski, pela segunda vez; e atualmente padre Marcos.

No dia 9 de maio de 1983, a então capela da Divina Misericórdia, em Vila Valqueire, vinculada a Paróquia São Roque, tornou-se paróquia, e confiada aos padres palotinos e, no dia 17 de setembro de 2009, o arcebispo Dom Orani elevou a paróquia a condição de santuário arquidiocesano. A capela e a devoção a Divina Misericórdia deve-se a iniciativa do padre Tadeu Korbecki.

Em 1991, foi comprado o terreno em frente que hoje funciona como estacionamento; em 1993, foi realizada uma reforma nas instalações da paróquia com substituição da fachada, demolição das salas do pátio e o espaço transformado em jardim; foi construído o salão “São Vicente Palloti”; o muro foi substituído por grades e comprados bancos novos.

No dia 4 de novembro de 1995, a paróquia se rejubilou com a ordenação diaconal do paroquiano Luiz Cezar Bahia, que exerceu o ministério na Paróquia Nossa Senhora do Amparo e Santa Maria Goretti, em Cascadura; foi secretário do arcebispo Cardeal Eusébio Oscar Scheid; administrou a Paróquia Maria Mãe da Igreja, em Padre Miguel; e há oito anos está provisionado na Paróquia São Roque; e atua como vice-chanceler da Cúria Metropolitana e juiz auditor do Tribunal Eclesiástico Arquidiocesano.

Em 2003, a paróquia ganhou melhoramentos com as reformas do painel do altar e da torre, e a colocação do sino.
Reportagem: Symone Matias
Texto: Carlos Moioli